Google+ Followers

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

FELIZ 2012 A TODOS OS AMIGOS LEITORES DO BLOG.

Nem uma vidinha
Nem um vidão
Simplesmente uma vida
Plena e intensa
Mas não tensa.

Com alguém para amar
Com um ombro para chorar
Com momentos para brindar
Com grana para gastar
Com amigos para compartilhar.

Simplesmente uma vida
De erros e acertos
Com alguns exageros
De muito intendimento
E pouco arrependimento.

Uma vida larga
Sem margem, cheia de aragem
Para quem embarca
Com a cara e a coragem
Nesta maravilhosa viagem.

carlos dória

PRIVATARIA TUCANA - Amaury poderá ser convocado pelo PIG.

Veja e Época podem convocar Amaury como testemunha.


A Veja e a Época podem usar o Amaury para se defender do Ricardo Sérgio. As duas revistas estão sendo processadas (ainda) pelo Ricardo Sérgio por causa de matérias sobre as suas conhecidas ações na privatização e caixa de campanha tucana. Agora, com o livro do Amaury Ribeiro Jr vendendo e provocando uma CPI, a Veja e a Epoca tem à disposição um conjunto de provas disponíveis para usarem juridicamente..Fonte: Luis Nassif online.
Fonte: Luis Nassif online

POLÍTICA - A importância do Zé Alencar em 2005.

Do Blog do Rovai

Esta nota foi publicada no dia 29 de março deste ano. Pela importância do personagem que a republico nesta retrospectiva.

Em 2005, no meio da crise do mensalão, Jorge Bornhausen, então presidente do PFL, teria tido uma reunião com a direção da Rede Globo logo depois do depoimento de Duda Mendonça na CPI. A conversa foi para avaliar a possibilidade do impeachment de Lula.

Bornhausen disse aos Marinhos que havia condições jurídicas de encaminhar a cassação.

Irineu Marinho teria, então, perguntado quem seria o presidente caso Lula caísse? Bornhausen sem entender direito qual era a intenção do herdeiro do Seu Roberto, respondera, José Alencar, o vice.




Com ele não tem papo, disse o manda-chuva das Organizações Globo.

Bornhausen ainda tentou uma cartada de mestre e disse que o vice poderia cair junto, já que a revelação de Duda Mendonça era de esquema de caixa 2 na campanha da chapa.

Mas o próximo da lista sucessória era Severino Cavalcanti. E Irineu Marinho avaliou que tirar Lula para torná-lo presidente da República poderia causar uma convulsão social no país.

Se tivesse papo com José Alencar, a história de 2005 poderia ter sido outra.

Quantos vice-presidentes não abririam espaço para o “papo” naquele momento.

A grandeza de José Alencar não se mede apenar por esta história. Mas essa talvez seja simbólica.

Conservadores ou revolucionários, pessoas com essa característica moral fazem falta no processo democrático.

Zé Alencar já faz falta.

POLÍTICA - Cuidado com a anti-reforma.

Carlos Chagas

Detectam-se os primeiros sinais. Tendo o Brasil assumido o patamar de sexta economia do mundo, e com o ministro Guido Mantega prevendo que em 2015 passaremos a França para ocupar o quinto lugar, voltam as elites retrógradas a falar em “reformas”. Jamais aquelas pelas quais João Goulart sacrificou seu mandato, as “de base”, mas as destinadas a fazer os ricos mais ricos e os pobres, mais pobres. Prevê-se para o próximo ano campanha coordenada pela mídia amiga e as associações patronais de classe. Aliás, já começaram, neste restinho de ano. Vão exigir do governo as reformas tributária, trabalhista, previdenciária e outras. Todas destinadas a aumentar-lhes os privilégios e as benesses, penalizando a classe média e as massas, da mesma forma como aconteceu no governo Fernando Henrique Cardoso.

Vale começar pela tributária. Nossa carga é a maior do mundo, beira os 40% de todos os ganhos, com a peculiaridade de que as empresas podem repassá-la ao preço dos produtos e serviços, mas o cidadão comum, assalariado, não. Ele paga mesmo. O lógico na reforma tributária seria diminuir seu percentual, especialmente o que incide nos salários e vencimentos. Não é o que pretendem certas elites, muito pelo contrário. Já fazem renascer a canhestra sugestão de que se houver mais gente que paga impostos, todos pagarão menos.

Todos quem, cara pálida? O trabalhador de salário mínimo ou pouco mais, que só enfrenta impostos indiretos, e a classe média, pressionada pelos dois lados. Trata-se de esperteza. Mais uma, porque o sociólogo eximiu o capital especulativo estrangeiro de pagar imposto de renda, liberou as remessas de lucros, privatizou patrimônio público e revogou direitos sociais. O que se pretende agora é a continuação do massacre.

Sem falar na mágica de despejar a desoneração das folhas de pagamento sobre os ombros do trabalhador, primeiro estágio da reforma trabalhista. Essa é tão perigosa quanto a anterior, na medida em que pretendem revogar as indenizações por dispensa sem justa causa e fatiar o décimo-terceiro salário e as férias remuneradas em doze parcelas anuais. Com o correr dos anos e a compressão salarial em andamento, logo desapareceriam esses dois benefícios, incorporados. Não demora muito e irão propor o fim do vale-transporte e do vale-refeição.

Tão perniciosa quanto as outras é a reforma previdenciária. O governo Lula e agora o governo Dilma seguem na esteira anterior do neoliberalismo, aumentando o salário mínimo pouco acima da inflação, mas sacrificando os aposentados com direito a quantias superiores. A meta é nivelar todo mundo por baixo, ou seja, em pouco tempo a totalidade dos aposentados receberá apenas o salário mínimo. Menos, é claro, os privilegiados das chamadas carreiras de estado. Desejam, também, aumentar o tempo de trabalho de quem pretende aposentar-se.

A conversa é a mesma, falaciosa: “A Previdência Social dá prejuízo!” Mentira. Aqui e ali, ex-ministros do setor, como Antônio Brito e Waldir Pires, provaram que dá lucro, mas por conta de repasses e de químicas, generalizou-se ser deficitária. Bela desculpa para incentivar a Previdência Privada e aumentar ainda mais o lucro dos bancos.

Em suma, é bom tomar cuidado com a euforia despertada pelo suposto crescimento de nossa economia. Os mesmos de sempre pretendem tirar vantagem, sem atentar para o fato de que a distribuição de renda no Brasil é das piores do planeta. Basta atentar que o salário mínimo subirá no primeiro dia do ano. Passa de 545 para 622 reais. Uma porcaria. Seria tentador imaginar como um desses defensores das “reformas” sobreviveria assim. De vez em quando surgem estatísticas lembrando que se o salário mínimo tivesse mantido a proporção de quando foi criado, estaria hoje em 2.500 reais.

Getulio Vargas, quando voltou ao poder, em 1951, tentou recuperar o valor de sua criação, permitindo que o ministro do Trabalho, João Goulart, propusesse a imediata duplicação. Caíram os dois. Explica-se, também, porque os governos dos trabalhadores saltam de banda e ainda se auto-elogiam com o reajuste anual da remuneração da imensa massa de trabalho nacional. Sem um reparo que seja por parte do PT, do PTB, do PDT e outros partidos ditos trabalhistas.

Para concluir, um alerta. As elites ainda não tiveram tempo para examinar e sugerir outra reforma, a política, discutida de mentirinha no Congresso. Tomara que não se lembrem, pois logo estarão pregando o fim do voto universal e obrigatório, trocado pelo voto facultativo e, quem sabe, como no Império, pelo direito de votar apenas para quem dispuser de determinada renda. Claro que muito superior ao salário mínimo…

Fonte: Tribuna da Internet

JUSTIÇA - Os três mosqueteiros do corporativismo do judiciário.

Marco Aurelio Mello, Cezar Peluso e Ricardo Lewandowski são os três mosqueteiros do corporativismo do Judiciário.

Carlos Newton

Não representou qualquer novidade o fato de o presidente do Supremo Tribunal Federal, Cezar Peluso, antes do recesso do Judiciário, ter resolvido manter a decisão do ministro Marco Aurélio Mello que proíbe o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de iniciar processos disciplinares contra magistrados. Há vários meses Peluso se comporta como um verdadeiro algoz da corregedora do CNJ, ministra Eliana Calmon, e tudo faz para limitar os poderes do órgão de controle externo do Judiciário.

Da mesma forma tem se comportado outro ministro, Ricardo Lewandowski, que seguiu na balada de Marco Aurélio e também suspendeu a apuração sobre a folha de pagamento de servidores do Judiciário em 22 tribunais, nos quais o CNJ averiguava movimentações financeiras atípicas.

Acontece que o próprio Lewandowski, que era desembargador no Tribunal de Justiça de São Paulo, assim como Peluso, receberam pagamentos a título de auxílio-moradia. Mesmo assim, por estarem envolvidos (embora ainda nem estejam sendo investigados pelo Conselho), deviam se declarar suspeitos e se afastarem da questão. Mas não. Muito pelo contrário, os dois fazem questão de investir contra o CNJ e contra a corregedora, ministra Eliana Calmon.

No início da semana passada, como se sabe, o ministro Marco Aurélio Mello já havia concedido uma liminar retirando poderes do Conselho Nacional de Justiça e beneficiando os juízes que estão sendo investigados.

A própria Advocacia Geral da União (AGU) contestou a decisão e pediu outra liminar, para suspender a decisão de Marco Aurélio Mello e possibilitar a continuação das investigações. Mas Peluso negou e, com isso, somente em fevereiro o Supremo irá avaliar, em plenário, se o CNJ tem ou não poderes para iniciar investigações contra magistrados.

A AGU argumentava que Marco Aurélio Mello violou o regimento do STF ao conceder liminar durante o recesso do tribunal, uma vez que a decisão do ministro foi anunciada mais de duas horas depois do encerramento do ano judicial. Durante o recesso, em casos urgentes, só quem pode decidir é o presidente do STF – no caso, o próprio Peluso – e Marco Aurélio Mello não teria demonstrado a urgência do tema.

“O dispositivo destaca que é atribuição do presidente do STF decidir questões urgentes nos períodos de recesso ou de férias”, alegou a AGU. Peluso, porém, não entendeu dessa maneira e optou por pedir informações ao próprio Marco Aurélio e à Procuradoria Geral da República (PGR) antes de analisar a questão em definitivo. Traduzindo: empurrou o caso com a barriga.

Mas o tempo conspira contra Peluso, Lewandowski e Mello, porque está ganhando cada vez mais força o movimento a favor do CNJ e da corregedora Eliana Calmon, que se consolida como uma verdadeira Dama de Ferro, em meio à estrutura apodrecida do Poder Judiciário.

Juristas, juízes, desembargadores e ministros de tribunais superiores agora se apressam em apoiar a corregedora Eliana Calmon, cientes de que se estabeleceu uma nítida linha divisória entre quem está a favor da corrupção e quem está contra. Melhor assim.

Fonte: Tribuna da Internet.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

POLÍTICA - Por que Lula é tão querido.

Do jornalista Paulo Nogueira.

“Difícil não é subir”, escreveu o historiador francês Jules Michelet. “Difícil é, subindo, você permanecer o mesmo.”
Acho que essa frase explica a razão pela qual todos gostam de Lula, excetuada uma parcela retrógrada da classe média que tem preconceito contra pobres e nordestinos, sobretudo se eles ascendem.
Escrevi, no artigo anterior, sobre o oposto: por que Serra é tão amplamente detestado. Decidi ir para o inverso. Pessoalmente, tenho por Lula uma admiração moderada e distante. Entrevistei-o algumas vezes no começo dos anos 1980, quando os metalúrgicos do ABC sob seu comando articulavam as primeiras greves desde 1964. Nessa época, eu era repórter de economia da Veja. Achei-o vivamente inteligente: jamais confundi QI com a aquisição de diplomas.
Raras vezes votei em Lula. A ocasião em que tive mais convicção para votar nele foi quando seu adversário era Fernando Collor de Mello. Tive, na juventude, alguns problemas com o PT. Meu pai disputou a presidência do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo no final da década de 1970 contra uma chapa formada por pessoas que depois estariam no PT. O candidato rival de meu pai era Rui Falcão, de quem guardo uma imagem lhana e delicada. Jogou limpo e perdeu com dignidade. Mas muitos dos jornalistas que apoiavam Rui me pareceram arrogantes e grosseiros nas assembléias em que se debatia a greve. Alguns chamaram meu pai de “a voz dos patrões” porque ele antevira com presciência as enormes dificuldades que a greve enfrentaria para funcionar. Daí meu incômodo com o PT, que seria fundado em 1980, pouco depois da eleição do Sindicato de Jornalistas vencida por papai.
Lula, talvez por não ser um intelectual, jamais foi o típico petista que vê (ou via) o mundo de cima para baixo. Num determinado momento, muitos suspeitaram de que ele seria manipulado pelos intelectuais que o cercavam e o educavam. O tempo mostrou que isso jamais aconteceria. Lula, por sua extraordinária liderança, sempre comandou seus professores. Em nenhum momento foi teleguiado.
À medida que foi ganhando estatura, mexeu na aparência, mas não no conteúdo. Aparou a barba, colocou paletó e gravata. Mas não se vendeu. No começo de minha carreira, circulou uma história que, verdadeira ou não, mostra como Lula era visto. Uma montadora, no final do ano, teria deixado um carro na frente da casa de Lula como um presente. O objetivo era conquistar a aliança de Lula para que as reivindicações dos metalúrgicos fossem contidas. O carro, segundo a história, foi prontamente devolvido.
Lula é simples sem ser simplório. Fala como o brasileiro das ruas genuinamente. Se numa campanha vai a uma feira comer pastel com os eleitores, parece que está em seu habitat. Com Serra é o oposto: vê-se que ele, como o general Figueiredo, o último presidente militar, não gosta muito do “cheiro do povo”. Serra, para o brasileiro médio, jamais será o “Zé” de suas campanhas.
Lula, sob contínuos ataques da mídia no final de seu primeiro mandato, não vergou – o que é um sinal de força interior. Rumores afirmavam que ele estaria bebendo cada vez mais, e a ponto de renunciar ou cair como Collor. Vistas as coisas em retrospectiva, tais rumores soam como piada.
Um estadista tem que ter musculatura para suportar estoicamente as agressões. Conta-se que Fouquet, revolucionário francês, dormiu na sessão da Convenção em que era julgado e corria o risco de ser condenado à guilhotina.
No poder, Lula foi essencialmente o mesmo de sempre. Mudou o foco da administração para o combate à miséria – um ato que lhe dá um lugar de honra na história do Brasil. Ao mesmo tempo, foi pragmático o bastante para ajudar as empresas brasileiras – sobretudo as exportadoras. Jorge Paulo Lehman contou uma vez numa conversa da qual participei que Lula pegou o telefone e ligou para a embaixada brasileira em Buenos Aires ao saber que a Anbev de Leman enfrentava dificuldades burocráticas na Argentina. “Em situações parecidas, o Fernando Henrique dizia que ia resolver o problema e depois não fazia nada”, disse Leman. Vi também uma vez o então presidente da Vale do Rio Doce Roger Agnelli contar uma história parecida.
Lula subiu sem deixar de ser o mesmo, uma coisa rara como dizia Michelet. Por isso, acima de todos os outros motivos, é tão amado — e é também em consequência disso sobretudo que milhões de brasileiros, entre os quais me incluo, fecham o ano torcendo para que ele se recupere do câncer na garganta tão usada para defender os trabalhadores.
Do portal Luis Nassif

A ARGENTINA E ALGUNS ARGENTINOS, SEGUNDO WASHINGTON.

Livro “ArgenLeaks”

“Muitas certezas mais nascem da leitura de “ArgenLeaks”, um dos livros mais vendidos na Argentina neste final de 2011. A principal delas, talvez, seja a seguinte: por mais que passe o tempo, Washington não aprende a entender a América Latina. A entender o mundo. Entende, apenas, que continua exercendo um domínio que talvez já não exista. E o mundo, por mais que diga o contrário, continua agindo como se esse poder existisse.

O artigo é de Eric Nepomuceno, em Buenos Aires

O título do livro tende ao óbvio: “ArgenLeaks”. Foi lançado pela “Sudamericana” em setembro passado e passou a vender como água no deserto. Seu autor, Santiago O’Donnell, confessa que, por mais que esperasse alguma repercussão, jamais supôs que o livro galgaria a lista dos mais vendidos. Organizado em ordem alfabética, ‘ArgenLeaks’ traz, ao longo de suas 360 páginas, uma seleção do material que consta dos arquivos do “Wikileaks”sobre a Argentina. Ele foi o único jornalista do país a ter acesso a 2.150 telegramas confidenciais que a embaixada dos Estados Unidos em Buenos Aires despachou para Washington nos últimos anos. Isso corresponde a mais ou menos um por cento do material argentino que está nos arquivos do “Wikileaks”.

Claro que há, nesses telegramas confidenciais, um amontoado de baboseiras, de intrigas que carecem de verdade, que muitas vezes tomam como certas informações que não passam de rumores desacreditados.

Procurando um difícil equilíbrio, o autor do livro trata de esclarecer esses desencontros e essas falácias. Mas há informação valiosa, pelo menos para que se saiba quem é quem na política argentina.

A prepotência de certos setores da sociedade argentina é exemplar. Há relatos de reuniões de altos executivos em que essa prepotência surge nítida e, diante dos poderosos, se transforma rapidamente em subserviência. Essa transformação, ao ser relatada com certo ufanismo, revela a ingenuidade dos informantes de Washington. Há relatos de negociatas, de mesquinharias que muitas vezes se transformam em confrontos com sérias consequências para o país. Muita gente fica mal parada em sua subserviência diante dos símbolos da potência global. Lá estão altos executivos do jornal “Clarín”, tratando de ensinar, aos diplomatas do país que mais golpes de Estado promoveu ao longo da história da humanidade, como se deve tratar um governo hostil. Lá estão outros jornalistas dispostos a disputar cada milímetro do espaço destinado ao de cão mais fiel aos interesses de Washington.

E estão políticos de todas as cores disputando um espaço imaginário junto do verdadeiro poder. O atual vice-presidente da República e presidente do Senado, Amado Boudou, que foi poderoso ministro de Economia do primeiro governo de Cristina Kirchner, é descrito, em determinado telegrama enviado pela embaixada norte-americana em Buenos Aires, como alguém que se diz “descaradamente pró-Estados Unidos” e se mostra defensor de uma reaproximação com o FMI. O texto do telegrama é tão confuso que não deixa espaço para que se saiba se isso foi efetivamente dito e mostrado, ou se o que existe é apenas o esforço do informante para melhorar, do seu ponto de vista, o perfil do personagem.

Mais nítido é o retrato de Maurício Macri, atual prefeito de Buenos Aires e figura mais acalentada pela direita para ser seu grande pilar nas eleições presidenciais de 2015: “Somos o primeiro partido pró-mercado e pró-negócios em oitenta anos da política argentina, e estamos prontos para tomar o poder”, disse ele. Não era o primeiro partido pró-qualquer coisa em oitenta anos, e tanto não estava pronto para tomar o poder que sequer se animou a disputar a presidência contra Cristina Kirchner. Mas a embaixada norte-americana em Buenos Aires até que gostou dele, e de seus rompantes.

Prementes pedidos de ajuda enviados por um angustiado Muammar al-Kadhafi ao então presidente Carlos Menem revelam, já em 1995, indícios de fragilidade em seu regime. Um rotineiro e impertinente questionário que o Departamento de Estado faz circular entre as embaixadas norte-americanas, inquirindo os governos em relação a Cuba, mostra quais os requisitos que os países devem cumprir (a propósito: a Argentina de Nestor e, depois, de Cristina Kirchner, não cumpriu nenhum) para ajudar a sufocar o governo da ilha caribenha.

Tráfico de drogas, supostas bases do terrorismo islâmico na região, relações com países considerados perigosos – Irã, Iraque, Venezuela –, eventuais desvios de personalidade nas esferas do poder, intrigas, maledicências, rumores, especulações, tudo isso permeia as páginas de “ArgenLeaks”.

No final da leitura, restam algumas certezas. Primeira certeza: os informantes das embaixadas norte-americanas escrevem bem, mas apuram mal as informações que transmitem. Acreditam em qualquer patacoada que interesse ou possa interessar aos seus superiores. Segunda certeza: há uma palpável atmosfera de subserviência de quase todos os personagens diante dos informantes. Por mais que se desconfie dos telegramas, há que se admitir que algo de servilismo deve existir.

Terceira certeza: para o poder imperial, pouco importa o que é verdade e o que é mentira. Importa o que interessa.

Outra certeza: tanto os serviços de inteligência como os analistas políticos que servem ao governo dos Estados Unidos são, em última instância, primários. Tanto assim, que telegramas confidencias são facilmente filtrados ao mundo, e o que mais revelam, além de uma prepotência imperial conhecida, é uma inacreditável capacidade de acreditar em bobagens e levá-las a sério.

Muitas certezas mais nascem da leitura de “ArgenLeaks”. A principal delas, talvez, seja a seguinte: por mais que passe o tempo, Washington não aprende a entender a América Latina. A entender o mundo.

Entende, apenas, que continua exercendo um domínio que talvez já não exista. E o mundo, por mais que diga o contrário, continua agindo como se esse poder existisse.”

FONTE: escrito por Eric Nepomuceno, em Buenos Aires, e publicado no site “Carta Maior”

ANOS DE CHUMBO - Lista dos torturadores causa chiliques em militares.

Militares criticam divulgação de lista de torturadores.

Enviado por luisnassif, qui, 29/12/2011 - 10:00

Da Folha.com

Militares criticam lista de acusados de tortura


DO RIO

Associações de militares criticaram a publicação, por parte de revista ligada à Biblioteca Nacional, de lista de 233 militares e policiais que supostamente torturaram presos durante o governo Ernesto Geisel (1974-1979).

A informação foi publicada ontem na coluna Mônica Bergamo. A lista, que faz parte de acervo de Luís Carlos Prestes (1898-1989), estará na edição de janeiro da "Revista de História da Biblioteca Nacional", editada pela Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional.

"[A publicação] Não deixa dúvida de que lado está o órgão público", disse o vice-presidente do Clube Militar, general Clóvis Bandeira.

"Isso cria uma situação de conflito gratuito, que já deveríamos ter superado há muito tempo", disse o presidente da Associação dos Oficiais Militares Estaduais do Brasil, coronel Abelmídio Sá Ribas.

Segundo o editor da revista, Luciano Figueiredo, os documentos de Prestes serão doados ao Arquivo Nacional, o que os tornará públicos.

PRIVATARIA TUCANA - Quatro mentiras encontradas na defesa de Verônica Serra.

Do blog Os amigos do Presidente Lula.


A tardia defesa da filha de José Serra (PSDB/SP), em nota negando o livro "A Privataria Tucana" (semelhante aquelas negações de Maluf), em vez de melhorar, complicou mais a situação.

Documentos oficiais e públicos, inclusive assinados por ela, além de flagrantes, desmentem pelo menos 4 tópicos de sua defesa em relação à Privataria Tucana.

A primeira mentira

.... já foi apontada em diversos blogs (como aqui e aqui): Verônica Serra disse que não é indiciada, mas não corresponde à verdade. Ela está sim, indiciada na Justiça Federal em São Paulo:


http://www.jfsp.jus.br/foruns-federais/

A segunda mentira

Verônica Serra faz uma ginástica danada para parecer que era apenas uma funcionária burocrática que cumpria ordens e não foi sócia da irmã de Daniel Dantas. Pode até ser que a irmã de Daniel Dantas não tenha sido oficialmente a sócia, e ambas apenas se associaram no Conselho de Administração, porém Verônica Serra cai em contradição em sua versão e documentos desmentem sua explicação.

Ela foi sim sócia na sucursal brasileira, Decidir.com do Brasil S.A. (como comprova ata da A.G.E. publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo):



E quem era sócio na outra ponta, que trouxe R$ 5 milhões em 2000 para a empresa do paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas?

A Decidir.com International Ltd. (empresa off-shore com sede no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas). Segundo a defesa de Verônica Serra dá a entender, quem estava por traz do dinheiro dessa off-shore seria o Citibank e o Banco Opportunity de Daniel Dantas. Assim a situação dela se complica, pois a coloca como sócia do próprio Daniel Dantas e não da irmã dele.

A terceira mentira

Verônica Serra diz que "... Mentem, também, ao insinuar que eu intermediei negócios da Decidir com governos no Brasil. Enquanto eu estive na Decidir, a empresa jamais participou de nenhuma licitação...."

A verdade na afirmação acima está só na parte onde diz SEM LICITAÇÃO.

Vamos aos fatos: quando Verônica Serra estava na empresa Decidir, e seu pai era o todo-poderoso ministro sendo preparado por FHC para sucedê-lo, a empresa conseguiu um convênio com o Banco Central (do governo do Brasil) para ter acesso ao cadastro de cheques sem fundos. Se algo semelhante acontecesse no governo Lula ou Dilma diriam que era tráfico de influência.



Tela capturada em 10 de novembro de 2000, quando a empresa conseguiu acesso ao cadastro de cheques sem fundos do Banco Central.


Ainda há o caso da empresa SUPERBID, onde Verônica Serra e seu marido foram sócios, e que fazia leilões de venda de equipamentos e bens descartados pelas estatais paulistas no governo tucano Mário Covas, SEM LICITAÇÃO. Esta parte não está no livro Privataria Tucana, mas já foi alvo de inquérito no Ministério Público estadual de SP (engavetado), e gerou um pedido de CPI na Assembléia Legislativa Paulista, devido a reclamações de outros leiloeiros que não tinham "pistolão" político.

A quarta mentira

Ela diz: "...Em 1998, quando houve a privatização, eu morava há quatro anos nos Estados Unidos, onde estudei em Harvard e trabalhei em Nova York numa empresa americana que não tinha nenhum negócio no Brasil, muito menos com a privatização...."

De acordo com seu currículo disponível na internet:
1997-1998 Foi Vice Presidente da Leucadia National Corporation.
1996 - Foi uma associada do Goldman Sachs & Co's NY Fixed Income Group.
1993-1995 Trabalhou no Banco BBA Creditanstalt
1991-1992 Trabalhou na Editora Abril (humm...)

Ao contrário do que ela disse, a Leucadia National Corporation tinha negócios no Brasil.

http://goo.gl/qeGyj


Verônica, em sua defesa, diz ter documentos mas, assim como Maluf, não disponibilizou nenhum para acompanhar seu texto de defesa, o que poderia elucidar mais fatos (ou talvez complicar).

Não faremos nenhum julgamento sumário como faz o PIG. Mas a CPI da Privataria será o lugar certo para ver quem está limpo e quem meteu a mão no dinheiro do patrimônio público durante a roubalheira ocorrida na privataria tucana.

ANOS DE CHUMBO - NEMÉSIO E A MÃO DE MAO.

Do Terra Magazine.


Paquito
De Salvador (BA)


Nemésio Sales é um advogado trabalhista bem sucedido, homem culto e afável, morador do bairro do Canela, em Salvador. Quem o conhece assim, de pronto, nem desconfia do que era capaz, nos anos da ditadura militar, no Brasil.

Ligado ao Partido Comunista, como muitos dissidentes do regime, Nemésio foi perseguido pelos órgãos da repressão. No entanto, nunca foi preso, o que fazia de sua figura um ícone para os adolescentes da nossa família, que ouviam os pais, aflitos e receosos de que nos tornássemos um exército de Nemesinhos, questionamentos à flor da pele:

- Nemésio é subversivo, e vive fugido, subtraído do direito de ir e vir!

Aparentemente, Nemésio pouco se dava ao impedimento de seus direitos. Morou em países da Europa, mas, volta e meia, vinha ao Brasil ver a mãe, Dona Laura, parentes e amigos. Documentos frios, e um sangue da mesma temperatura, faziam-no dar bailes nos seus perseguidores.

Procurado, não se furtou a ir receber uma cadeira cativa do Maracanã, que ganhara em sorteio, no Rio. Apareceu, na cerimônia de entrega, para quem quisesse ver, numa daquelas reportagens do Canal 100, que antecedia aos filmes, nas salas de cinema.

Também no Rio de Janeiro, teve o pressentimento de que o lugar em que morava estava visado. Numa noite, antes de voltar pra casa, pediu ao irmão mais velho, que não tinha implicações com a esquerda, para entrar no apartamento e acender duas vezes a luz, se tudo estivesse bem, enquanto ele esperava dentro do carro, na rua.

Assim que o irmão entrou, foi derrubado por um bando de soldados, enquanto o que parecia ser o líder deles, disse:

- A gente lhe procurou tanto, Seu Nemésio! O senhor vai dizer à gente onde está o Marighella!

O irmão apresentou a identificação, os milicos se convenceram de quem ele realmente era, e o soltaram. Quanto a Nemésio, não vendo a luz se acender como fora combinado, escapou.

Quando morava em Moscou, era chamado pelos colegas de partido de "italiano", por conta de ser questionador, feito pensadores marxistas, como Gramsci. Antes de entrar no Partidão, tinha fama de nietzschiano e, portanto, rebelde. Não era a favor da luta armada, por saber que os militantes não tinham experiência alguma de combate. Um marxista, enfim, nada sectário.

Na minha infância, não lembro de tê-lo visto em Jequié, cidade onde nasci, em 1964, e vivi até os 10 anos.

Muito tempo depois, numa sessão de cinema em Salvador, no antigo Teatro Maria Bethânia, ele me cumprimentou, sentado atrás de mim, durante uma sessão de O sétimo selo, de Bergman. Foi a primeira vez que assisti a esse filme impressionante, e é a primeira lembrança que tenho de Nemésio, como sempre, jeito manso, tranqüilo, na dele. Se a memória não me engana, a anistia já havia sido decretada e ele podia circular sem ser incomodado. Mas no fundo, ele é que incomodava seus algozes.

O que me intrigava, no entanto, era o afeto demonstrado por mestres da música popular a Nemésio. Caetano, quando eu disse ser seu primo, falou, sem pestanejar:

- Nemésio é um amor!

Tom Zé, de vez em quando, cita o seu nome em entrevistas, ao contar histórias dos tempos do CPC. E Paulinho da Viola, em uma vez que falei conhecer Nemésio, respondeu, animado:

- Onde anda esse cara? Me dá notícia dele!

Meu pai, decididamente a favor dos militares do antigo regime, em uma das inúmeras discussões que travávamos, naqueles tempos estranhos, declarou:

- Nemésio é perigoso, tem ligações com a China e Mao Tsé-Tung!

Anos mais tarde, em uma conversa com Nemésio, perguntei qual a veracidade da história. Nema, como é chamado pelos amigos, minimizou o fato, esclarecendo que fora à China para um congresso internacional de estudantes, ainda quando fazia direito, em 1957 - antes da Revolução Cultural - com um grupo da Une, quando contava apenas 22 anos, e encontrou com Mao à frente de uma turma de brasileiros, em um palácio na Praça da Paz Celestial.

Nemésio disse que Mao só parou para falar com a delegação de dois países, Brasil e Nigéria e, ao se dirigir a ele, falou duas vezes o nome do Brasil, em chinês, afirmando que o nosso país e a China tinham de estar unidos. Em seguida, Mao apertou sua mão. Segundo Nema, a mão de Mao era imponente, imensa. E arrematou:

- Foi só um aperto de mão e poucas palavras, nada mais.

Quando contei o caso ao meu amigo João Reis, o historiador, Jonga não se conteve:

- E não é pouco! Quantas pessoas que você conhece apertaram a mão de Mao Tsé-Tung?

MÍDIA - "internet virou uma cadeia da legalidade".

Palmério Dória: "Internet virou uma cadeia da legalidade"


Claudio Leal


A eleição presidencial de 2010, vencida pela petista Dilma Rousseff, começa a ganhar os primeiros relatos históricos. Um dos lançamentos editoriais sobre a campanha política, o livro "Crime de imprensa" (Plena Editorial), de Palmério Dória e Mylton Severiano, analisa o comportamento dos grandes grupos midiáticos durante a sucessão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Repórteres veteranos, Palmério e Severiano (o Myltainho) atuaram na imprensa alternativa e também em grupos como "Estado de S. Paulo", "Folha de S.Paulo", "Realidade", "Rede Globo" e "TV Record". No livro, provocantemente "prefaciado" pelo escritor Lima Barreto, os autores sustentam que a mídia nacional assumiu as bandeiras de partido político e apoiou a candidatura de José Serra (PSDB).

- A Dilma enfrentou, durante a campanha, uma espécie de túnel de trem fantasma. A cada curva, havia uma cilada, um sobressalto, uma chamada "bala de prata". Hoje a imprensa continua assim, apesar de ela ser uma das três mulheres mais poderosas do planeta - afirma Palmério Dória, autor do best-seller "Honoráveis Bandidos - Um retrato do Brasil na Era Sarney" (Geração Editorial), em entrevista a Terra Magazine.

Craque da reportagem e frasista veloz, sempre a denunciar uma rica formação literária, Palmério Dória recorre ao humor - essa escopeta às vezes subestimada - para confrontar os velhos fantasmas da Nova República. O livro sobre o senador José Sarney, que frequentou por meses as listas dos mais vendidos, iniciou uma trilogia da vida política brasileira. A internet, pondera o jornalista, ajudou a balançar o previsível coreto.

- A Globo chegava a dominar 100% da audiência, nos anos 70 e 80. Ainda outro dia, a Globo dominava. Isso mudou. (...) Agora tem a força da blogosfera, que, de repente, se articula numa espécie de cadeia da legalidade, para citar o episódio do Brizola (em 1961)... Mas também tem os dois lados. Pode ser a internet do bem e do mal. A internet do mal procovocou aquela peste emocional que levou a eleição para o segundo turno, trazendo questões como o aborto, questões que eu achava que já tinham desaparecido - lamenta Palmério.

Confira a entrevista.

Terra Magazine - Você pôs um trecho de "Recordações do Escrivão Isaías Caminha", de Lima Barreto, como prefácio de "Crime de imprensa". Ele tinha uma visão bem ácida do jornalismo. De lá pra cá, a coisa tem piorado?
Palmério Dória - A situação é praticamente a mesma. Porque ele verifica as famílias e constata que o domínio dos "Grandes Irmãos" já prevalecia. Isso piorou porque há uma concentração maior do poder da mídia. A Globo chegava a dominar 100% da audiência, nos anos 70 e 80. Ainda outro dia, a Globo dominava. Isso mudou. Existe uma abertura maior. Agora tem a força da blogosfera, que, de repente, se articula numa espécie de cadeia da legalidade, para citar o episódio do Brizola (em 1961). Isso melhorou. Mas também tem os dois lados. Pode ser a internet do bem e do mal. A internet do mal procovocou aquela peste emocional que levou a eleição para o segundo turno, trazendo questões como o aborto, questões que eu achava que já tinham desaparecido.

No livro, vocês sustentam que os principais grupos de comunicações do País apoiaram a candidatura de José Serra e se comportaram com parcialidade nas eleições. Essa postura tem se refletido na cobertura do governo Dilma ou houve uma mudança?
Essa postura não mudou. A Dilma enfrentou, durante a campanha, uma espécie de túnel de trem fantasma. A cada curva, havia uma cilada, um sobressalto, uma chamada "bala de prata". Hoje a imprensa continua assim, apesar de ela ser uma das três mulheres mais poderosas do planeta. Pra mim, é a segunda mais poderosa, porque Hillary Clinton (secretária de Estado dos EUA) é uma empregada. Apesar de ser presidente do maior país do hemisfério sul, Dilma é tratada como uma qualquer. A imprensa vai engolir. De maneira geral, não mudou a atitude. Ela não era um poste, não era e não é uma laranja, ela segurou a base política, a fisiologia, e de uma maneira geral os números estão comprovando que ela caiu até no gosto popular. Agora, descaradamente, só o "Estadão" assumiu que apoiava o Serra, através de um editoral. Os outros, não. A "Folha" gosta de parecer isenta, coisa que ela não é. Essa pluralidade é tão artificial quanto perna de pau.

Mas até que ponto assumir um candidato é positivo? Isso não pode influenciar, negativamente, o leitor ou o telespectador?
É positivo, sim. A Carta Capital também assumiu. É tocada por um grande jornalista (Mino Carta), que foi diretor da revista Quatro Rodas, da Veja, e que já foi um dos mais poderosos editores da imprensa. Não se pode dizer que a revista é pequena imprensa. A imprensa americana, que é nosso padrão, assume os candidatos. Isso é muito bom. O problema é dividir a notícia do editorial.

Discute-se muito o "silenciamento" da chamada grande mídia sobre temas que, em tese, desagradariam os grupos partidários com que os jornais e televisões mais simpatizam. Isso teria ocorrido, neste mês, com o livro "A privataria tucana". Para não cair numa teoria conspiratória, você acha que essas omissões ocorrem de forma inercial ou vertical, como uma determinação?
Esses "grandes irmãos" parecem que combinam entre si. É inexplicável. No caso do livro, o timing foi o mesmo. Eles mantiveram o silêncio total, que durou uma semana. É pendular. Eles saíram juntos do silêncio total: a imprensa e o partido atingido (o PSDB). E agora partiram para o berro, esquecendo que bom tucano não berra. Se eu fosse pauteiro de um jornal, e já fui, veria que saiu a Carta Capital (com capa sobre o livro de Amaury Ribeiro Jr.), falando de corrupções numa escala de bilhões. Sendo pauteiro, é natural que você diga: pega um repórter para apurar isso. Mas, não. Todo o exército da grande imprensa estava dedicado a perseguir (Fernando) Pimentel, o amigo da Dilma. Não estou discutindo a corrupção, a escala da grana, nem o caso do Pimentel. Mas o exército todo estava caçando Pimentel. São essas contradições que mostram que não há isenção. Há um acordo tácito.

Os repórteres não podem ousar mais? Não ocorre também aqueles casos em que os repórteres imaginam o que o patrão gostaria que eles fizessem?
Acredite, mas eu já fui moleque e até jovem repórter. Havia nas redações os repórteres que faziam o trabalho sujo. Nós até agradecíamos. O "Estadão" tinha seus homens que faziam esse trabalho, "vamos pegar fulano de tal", de interesse da empresa. A gente sabia quem fazia isso claramente. Hoje, pegam esses meninos "trainees" pra fazer capa da "Veja" demonizando o MST. Bem jovens, e já estão mandando brasa, mora. Trabalhei na imprensa alternativa e sei que nós éramos bois de piranha, fazíamos as matérias que a grande imprensa não poderia publicar, como a matéria do "EX" sobre a morte do Vlado (Herzog). Depois essa matéria, Ricardo Kotscho ampliou os limites da liberdade de imprensa, coordenando uma matéria sobre a mordomia (publicada em "O Estado de São Paulo"). Ele me disse: "Porra, aquela matéria do EX ampliou os nossos limites". Tanto que as duas disputaram o Prêmio Esso. Vendeu a da mordomia, mas ficamos com os votos de Castelinho (Carlos Castelo Branco) e de Cláudio Abramo. Cada repórter vai conquistando sua margem de liberdade. Mas, cada vez menos os repórteres dizem: "não, isso eu não faço".

Você falou rapidamente, no início da conversa, sobre a presença política da internet. De que forma ela alterou o debate público?
No livro, citamos o editor do "The Guardian". Ele falou que, hoje em dia, temos uma gráfica em casa. Quando há temas muito complexos, até para os padrões ingleses (poderes podres ou grandes poderes), ele vai jogando pitadas no Twitter dele. Isso num grande jornal, com um grande editor... Desde Gutenberg não vejo nada tão espetacular. Não dá ainda para medir. O buraco é muito embaixo.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

MÍDIA - "Estranho José Serra não entrar na justiça"

Do blog do Luis Nassif

“Estranho José Serra não entrar na justiça”, diz Emediato

Autor:

Adriano S. Ribeiro

Jornalista e Proprietário da Geração Editorial, responsável pela publicação do livro “A Privataria Tucana”, diz ver com estranheza o fato do PSDB ter prometido entrar na justiça contra o autor da publicação, Amaury Ribeiro Júnior.

“Os denunciados no livro são o senhor José Serra, a filha dele Verônica Serra, o genro dele, o primo dele e outras pessoas. Não é o PSDB. É muito estranho que um partido ingresse na justiça contra o livro e uma editora, sendo que o partido, em si não é citado”, argumentou. “Estranhamente, o senhor José Serra não está entrando na justiça”, complementou.

http://www.portal730.com.br/noticias/politica/24835-estranho-jose-serra-nao-entrar-na-justica-diz-proprietario-de-editora-que-publicou-livro.html

POLÍTICA - O chilique do historiador tucano.

Blog do Miro.

Por Altamiro Borges

O historiador Marco Antonio Villa, que goza de generosos espaços na mídia (Globo, Cultura, Estadão e outros), nunca escondeu a sua rejeição ao chamado “lulopetismo” e as suas simpatias pelo tucanato. Nos últimos dias, porém, ele andou perdendo a compostura. O livro “A privataria tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro, parece que deixou o rapaz enfezadinho, irritadiço.



Segundo o sítio Comunique-se, na edição desta segunda-feira (26) do “Jornal da Cultura”, Villa chegou a bater boca com o outro comentarista do programa, o advogado Airton Soares, ao tratar do salário dos magistrados paulistas. “Os ânimos no noticiário se exaltaram... ‘Aqui não é debate eleitoral’, disparou Maria Cristina [âncora do programa] antes de chamar o intervalo comercial”.

A mordaça da direita

Um dia depois, Villa publicou artigo raivoso contra o livro no jornal O Globo. Com o título “Querem impor a mordaça”, ele afirma que “o panfleto de Amaury Ribeiro é apenas um produto da máquina petista de triturar reputações. Foi produzido nos esgotos do Palácio do Planalto”. As contradições no texto são grotescas. Apresento trechos do artigo e, com colchetes e negritos, faço algumas indagações ao intrépido historiador:

“Não é novidade a forma de agir dos donos do poder. Nas três últimas eleições presidenciais, o PT e seus comparsas produziram dossiês, violaram sigilos fiscais e bancários, espalharam boatos, caluniaram seus opositores, montaram farsas”.

[Mas no foi o “fogo amigo”, segundo o próprio José Serra, que gerou a confecção de dossiês e a contratação de arapongas no interior do PSDB? Não foi a Verônica Serra, filha do ex-governador, que quebrou o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros? E a fama de Serra de espalhar boatos, caluniar opositores e montar farsas, como a da bolinha de papel? Villa conhece estes fatos?].

“A máquina petista virou uma Stasi tropical, tão truculenta como aquela que oprimiu os alemães-orientais durante 40 anos. A truculência é uma forma fascista de evitar o confronto de idéias. Para os fascistas, o debate é nocivo à sua forma de domínio, de controle absoluto da sociedade, pois pressupõe a existência do opositor”.

[Ao invés de vomitar conhecimento histórico, Villa não tem nada a dizer sobre os espiões, alguns egressos do SNI, contratados por José Serra, que têm seus nomes registrados no livro do Amaury? Sobre a truculência fascista, ele não fará nenhuma crítica ao seu amigo tucano, conhecido por pedir a cabeça de inúmeros jornalistas – inclusive de Heródoto Barbeiro, na TV Cultura?].

“Os petistas odeiam a política. Fizeram nos últimos anos um trabalho de despolitizar os confrontos ideológicos e infantilizaram as divergências (basta recordar a denominação "mãe do PAC")... Na verdade, os petistas odeiam ter de conviver com a democracia”.

[Mas não foi a mulher do José Serra, a Mônica, que disse na campanha eleitoral do ano passado que Dilma “matava criancinhas”? Isto não é infantilizar as divergências, não é pura baixaria? Não foi o presidenciável tucano que se aliou os generais de pijama do Clube Militar e aos fascistas do Opus Dei e da TFP? Quem é que odeia conviver com a democracia].

“Enxergam na Venezuela, no Equador e, mais recentemente, na Argentina exemplos para serem seguidos. Querem, como nestes três países, amordaçar os meios de comunicação e impor a ferro e fogo seu domínio sobre a sociedade. Mesmo com todo o poder de Estado, nunca conseguiram vencer, no primeiro turno, uma eleição presidencial”.

[Com sua mente colonizada, Villa prefere seguir os EUA e a Europa, com suas guerras expansionistas, seus campos de tortura e seus governos de banqueiros. Mesmo assim, vale lembrar ao nobre historiador que nos EUA e nos países europeus existem regras para os meios de comunicação. Quanto a vencer no primeiro turno, Villa ainda hoje não engoliu a terceira vitória de Lula].

“O panfleto de Amaury Ribeiro Junior é apenas um produto da máquina petista de triturar reputações. Foi produzido nos esgotos do Palácio do Planalto. E foi publicado, neste momento, justamente com a intenção de desviar a atenção nacional dos sucessivos escândalos de corrupção do governo federal... Sob o pretexto de criticar as privatizações, focou o seu panfleto em José Serra”.

[Sobre esgoto e máquinas de triturar reputações, Villa deve conhecer bem como funcionam as coisas no ninho tucano. Ninguém se entende. As bicadas são sangrentas e o jogo é sujo. Já no que se refere aos “escândalos” no governo Dilma, se vingar a CPI da privataria, o historiador terá volumoso material para escrever um livro sobre a maior roubalheira da história do Brasil?].

“O panfleto deveria ser ignorado. Porém, o Ministério da Verdade petista, digno de George Orwell, construiu um verdadeiro rolo compressor. Criou a farsa do livro invisível, isto quando recebeu ampla cobertura televisiva da rede onde o jornalista dá expediente. Junto às centenas de vozes de aluguel, Ribeiro quis transformar o texto difamatório em denúncia. Fracassou. O panfleto não para em pé e logo cairá no esquecimento”.

[Villa poderia aproveitar a sua boquinha na GloboNews para solicitar a famiglia Marinho que se fale algo sobre o livro. O silêncio da maior parte da mídia é vergonhoso e o historiador ainda tem a caradura de mencionar a “ampla cobertura”. Quanto ao fracasso do autor, não é o que afirmam as principais livrarias do país. Villa garante o livro “logo cairá no esquecimento. Certeza ou medo?].

“O PT não vai deixar o poder tão facilmente, como alguns ingênuos imaginam. Usará de todos os instrumentos de intimidação contra seus adversários, mesmo aqueles que hoje silenciam, acreditando que estão ‘pela covardia’ protegidos da fúria fascista... O panfleto é somente uma pequena peça da estrutura fascista do petismo”.

[O último parágrafo do artigo é quase uma bronca na oposição demotucana, uma orientação política. Villa exige que ela seja mais ativa e incisiva contra o “fascismo petista”. O historiador está preocupado, estressado. Precisa urgentemente de férias. Poderia pedir a Verônica Serra e ao seu marido Preciado para passar alguns dias na mansão em Trancoso, no belo litoral baiano].

BOLÍVIA - Todos os McDonald's fecharam por falta de clientes.

Todos os McDonald's na Bolívia fecharam por falta de clientes.

Talvez uma rede de Empanadas possam fechar todos os McDonald's do mundo...rsrsrs

Faria um bem imenso à saude no planeta.

http://elpolvorin.over-blog.es/article-bolivia-mcdonald-s-se-fundio-por-desinteres-del-publico-y-cierra-todos-sus-locales-93227753.html
Bolivia - McDonald´s se fundió por desinterés del público y cierra todos sus locales


Después de 14 años de presencia en el país, y a pesar de todas las campañas habidas y por haber, la cadena se vio obligada a cerrar los ocho restoranes que mantenía abiertos en las tres principales ciudades del país: La Paz, Cochabamba y Santa Cruz de la Sierra.

Se trata del primer país latinoamericano que se quedará sin McDonald´s y el primer país en el mundo donde la empresa cierra por tener sus números en rojo durante más de una década.

El impacto para los creativos y jefes de marketing ha sido de tal fuerza que se grabó un documental bajo el título “Por qué quebró McDonald´s en Bolivia”, donde intentan explicar de algún modo las razones que llevaron a los bolivianos a seguir prefiriendo las empanadas a las hamburguesas.

Rechazo cultural

El documental incluye reportajes a cocineros, sociólogos, nutricionistas, educadores, historiadores y más, donde hay una coincidencia general: el rechazo no es a las hamburguesas ni a su gusto, el rechazo está en la mentalidad de los bolivianos. Todo indica que el “fast-food” es, literalmente, la antítesis de la concepción que un boliviano tiene de cómo debe prepararse una comida.

En Bolivia, la comida para ser buena requiere, además de gusto, esmero e higiene, mucho tiempo de preparación. Así es como valúa un consumidor la calidad de lo que se lleva al estómago: también por el tiempo en que se hizo el manjar. La comida rápida, no es para esta gente, concluyeron los norteamericanos.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

PELA PAZ, AMOR E ILUMINAÇÃO.

WORLD SYNCHRONIZATION (Sincronização Mundial) ... PELA PAZ, AMOR E ILUMINAÇÃO!

Postado por Marco Antônio Nogueira em 27 dezembro 2011 às 16:54



O nome desse incrível som multicultural é
WORLD SYNCHRONIZATION
(Sincronização Mundial)
pela Paz Amor e Iluminação...


MÍDIA - Carta aberta ao grupo RBS

CARTA ABERTA AO GRUPO RBS


Itaara-Rs 27 de dezembro de 2011


Prezados Senhores


Estou dando conhecimento público desta carta por intermédio deste blog, em virtude da certeza de não ser acolhido em contato direto com seus veículos de comunicação impressa, telivisiva e cibernética(internet). Essa assertiva vem de várias tentativas em outras oportunidades em que coloquei contraditórios a alguns editoriais e não obtive nem resposta e nem publicação ao e dos mesmos.


Hoje, 27 de dezembro de 2011, após muitos dias da publicação do livro Privataria Tucana, com venda extraordinária para um livro investigativo, ainda não encontrei linha alguma ou pronunciamento deste prestigiado Grupo Editorial, sobre os assuntos ali tratados. Como Leitor Assinante do Diário de Santa Maria, me preocupo com essa sua tendência, pois gostaria de ver estampadas nos vídeos, páginas dos jornais e internet, a posição opinativa desse grupo.


Talvez a resposta esteja no seu Guia de ética e autorregulamentação jornalística que coloco em trechos logo abaixo e que por força do amadrinhamento com a Rede Globo ou alinhamento com o pensamento corporativo da ANJ –que em alguns pronunciamentos de sua presidenta admitiu ser a imprensa a oposição que a oposição política não está sendo – é que esteja barrando do público uma obra literária da mais alta contribuição para o entendimento de fatos acontecidos recentemente no País. O silêncio está tão gritante, que nem o pedido de CPI protocolado na Câmara maior do País não virou notícia. É no mínimo estranho, já que por muito menos seus veículos ajudaram a derrubar seis ministros do Governo Federal. Entendo que só por isso, seu código de ética e de autorregulamentação virou um monte de entulho, de palavras vazias, palavras bonitas copiadas de outros “Guias” e que ao ser lançado com a presença de autoridades, procurou revestir de uma legalidade que não existe. Não se deixa os cães tomarem conta da lingüiça, já dizia meu pai! As ótimas intenções do seu guia não passam disso intenções. Meu pai dizia mais: “de intenções, boas ou más, o inferno está cheio”!


Note-se que no livro há respingos para todos os partidos e nem assim, houve interesse jornalístico de parte do seu Grupo.


É uma pena! Nem decorreu muito tempo e seu Guia já está obsoleto. Quem sabe novas intenções movidas pela virada do ano tragam novos rumos ao seu Grupo. Ponham a barba de molho, pois os blogs sujos com placa branca, estão se articulando para colocar de vez uma legislação moderna sobre os meios de informação.


Viram por que não iriam dar respaldo à minha carta?


Atte. JOEL BENTO CARVALHO – joelbentocarva@gmail.com

POLÍTICA - No ano de Dilma, o câncer do Lula.

Do site Entrelinhas

Luiz Antônio Magalhães


“O futuro da política brasileira está nos prontuários do Hospital Sírio Libanês”, escreveu o jornalista Elio Gaspari em uma pequena nota cifrada em sua coluna, no final deste ano. O colunista da Folha e do Globo é um sujeito bem informado e a nota fazia referência óbvia não apenas à enfermidade que acometeu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas também ao câncer linfático que a presidenta Dilma Rousseff tratou dois anos atrás.

Dilma venceu a batalha das quimioterapias, ganhou a eleição e assumiu a presidência em um momento particularmente complicado, com o agravamento da crise econômica internacional. Alguns analistas gostam de falar em crise da Europa, mas a verdade é que se trata de um mesmo processo, iniciado em 2008/09 com a falência de um sistema creditício criado no coração do capitalismo, os Estados Unidos.


Até agora, no entanto, a crise não bateu forte nos chamados países emergentes, isto é, na periferia do sistema. Lula passou por isto também e saiu razoavelmente incólume em sua arriscada marolinha, que na verdade significou um ano de estagnação econômica – resultado bastante positivo dentro do contexto, é bom que se diga.


Diferentemente da gestão Lula, o governo Dilma parece mais ágil e menos ortodoxo na reação à crise, tomando medidas corajosas de estímulo à produção em um “timing” apropriado, com redução na taxa de juros e redução de tributos para combater os efeitos da estagnação externa.


No momento, apesar da esperada retração também na economia brasileira, a estratégia parece estar dando certo, o consumo interno continua puxando o crescimento do país, o que se reflete nas taxas altas de aprovação ao governo e à presidenta. Se isto vai funcionar em 2012 é tema do próximo artigo, o que vale aqui é perceber que, em 2011, Dilma foi bem sucedida na seara econômica, mantendo o país nos eixos e inclusive desafiando o discurso e a pressão do mercado financeiro por uma política econômica mais ortodoxa.


Observando o novo governo desta ótica, a política propriamente dita parece ter simplesmente desaparecido. E no fundo, é isto mesmo, mas o fato não é novo, diz respeito muito mais ao governo do presidente Lula e sua inesgotável capacidade de promover consensos e reduzir o espaço da oposição – à direita e à esquerda.


Oposição em transe (e em crise)


Dilma herdou e parece ter conseguido aprimorar a tática lulista. A grande novidade em 2011 foi a total desarticulação da oposição. Na verdade, olhando mais de perto, o movimento em curso é de rearticulação das forças oposicionistas. À direita, nasceu pelas mãos do prefeito paulistano Gilberto Kassab um novo partido. Segundo seu fundador, o PSD não é “nem de centro, nem de direita e nem de esquerda”, mas o fato é que seu nascimento já provocou enorme desidratação no DEM, antigo PFL, e, em menor medida, no PSDB.


Ao DEM restou, além de uma certa vergonha de aderir ao governo Dilma, um espaço periférico nos grotões, atualmente dominados pelo PT. O PSDB vive uma crise de identidade, sem liderança após a submersão de José Serra em virtude de mais uma derrota eleitoral no plano nacional. Como o “sucessor natural”, Aécio Neves (sim, a fila anda) também não ocupou espaço algum. Restou ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso o papel de porta-voz do tucanato.


O problema é que FH está hoje mais empenhado em discutir a questão das drogas ou das cotas raciais – com posicionamento inclusive contraditório em relação ao de seu partido – do que EM fazer oposição a uma presidenta que lhe tem feito deferências e convidado para convescotes de menor importância, mas suficientes para tolher qualquer ímpeto crítico por parte do grão tucano. Também não se nota no governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disposição para o confronto, ao menos até este momento – talvez estejam lhe tomando tempo e energia as questões internas e locais, tendo em vista o enorme imbróglio em que o PSDB se meteu na escolha do candidato a prefeito em 2012.


Por fim, surge o PSD, que sob a liderança de Kassab conseguiu em tempo hábil não apenas as assinaturas necessárias para validar o partido para as próximas eleições como o ingresso de lideranças importantes, como a ruralista Kátia Abreu, o governador de Santa Catarina, Raymundo Colombo, e o vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos. Na prática, o PSD vai se tornando a quarta força política do país, atrás de PT, PMDB e PSDB, ao menos quando se considera a sua expressão parlamentar na Câmara Federal.


Na verdade, o partido de Kassab terá seu primeiro teste nas urnas no próximo ano, mas, para além de qualquer resultado eleitoral, vale ressaltar o significado político de seu nascimento: trata-se de mais uma alternativa no espectro de centro-direita, porém sem a pecha um tanto antiquada do DEM. E, o que é mais importante, trata-se de uma legenda que no fundo é um porto seguro para eventual ruptura de José Serra com o tucanato – cenário que alguns analistas já dão como provável. Neste caso, obviamente, a legenda abrigaria o sonho presidencial de Serra, aparentemente seu único projeto político (ou de vida) e que tem sido bombardeado pelos tucanos ligados a Aécio Neves.


Noves fora zero, fecha-se assim o quadro da oposição à direita da presidenta Dilma: persistência da crise de identidade dos adversários, que não conseguem, desde 2002, apresentar um discurso alternativo sem apelar para temas morais (aborto, em especial) ou para o velho discurso udenista da oposição.


Mídia contra Dilma e a “faxina do lulismo”


Com as forças de direita desnorteadas, quem forçou o embate com o petismo neste ano foi a parcela mais conservadora da imprensa nacional. Desde o primeiro dia do governo Dilma, a revista Veja, em especial, parece ter adotado uma estratégia um tanto arriscada, qual seja, a de seguir com o discurso udenista anti-corrupção, com alvos na Esplanada dos Ministérios, porém creditando os “malfeitos” como uma suposta herança do seu antecessor.


Em parte, a imprensa conservadora atingiu o objetivo de derrubar ministros – média de um a cada dois meses em 2011, se mais nenhum cair até o fechamento deste artigo, o que não seria improvável.


Ao mesmo tempo, porém, está sendo gestado um novo mito, o da “faxineira” Dilma, presidente dura e honesta, que repele qualquer tipo de corrupção e toca seu governo com o pulso firme característico das mulheres bravas, chefes que metem medo nos subordinados.


Como há uma reforma ministerial pela frente em janeiro, o “governo Dilma” irá finalmente começar e será interessante acompanhar, em 2012, o tratamento que a mídia conservadora vai dispensar para a nova fase da gestão da primeira mulher a sentar na cadeira de presidente da República.


Pauta ambiental e a falta de pauta da esquerda

Seguimos, por fim, para a oposição à esquerda de Dilma. No fundo, os problemas que se apresentam para a ultra-esquerda são parecidos com os da oposição de direita, com pequenas variações. Da mesma forma que Lula tomou do PSDB diversas práticas e alguns discursos, esvaziando o tucanato como alternativa, o ex-presidente demarcou terreno no campo da esquerda, colocando o verniz vermelho em seu governo.


A questão não é de conteúdo, mas de forma. Lula consolidou uma imagem de homem de esquerda e, ainda que já não seja, é assim visto. Um brasileiro médio vai sempre afirmar que Lula e Dilma estão posicionados à esquerda no espectro político, de forma que soa até um pouco ridículo para a ultra-esquerda fazer ataques ácidos ao “direitismo” petista. O discurso cola com muito poucos e as forças de esquerda, como as de direita, não conseguiram endereçar um discurso consistente e alternativo ao que o PT de Lula e Dilma oferecem.


Se a falta de pauta é óbvia, restou à oposição de esquerda neste ano de 2011 uma aliança com os ambientalistas/conservacionistas, comandados no Brasil pela ex-ministra Marina Silva. Curiosamente, o embate político mais interessante do ano opôs Marina e o agora ministro dos Esportes, Aldo Rebelo (PCdoB). Este colunista entende pouco da matéria e prefere não entrar no mérito da discussão em si, mas cabe a observação de que o relatório de Aldo foi bem defendido pelo deputado comunista e, em que pesem as acusações de alinhamento com os ruralistas, não é possível duvidar nem da integridade e muito menos da firmeza ideológica de Rebelo. Ruralista, ele realmente não é.


O comportamento dos marineiros, aliados às forças de esquerda durante o embate, infelizmente lembrou as práticas da direita, com tentativa de desqualificar o relator ou a senadora Kátia Abreu, esta sim, de fato defensora dos produtores rurais. Ao fim e ao cabo, quem acabou levando a melhor foi o governo, que queria aprovar logo o relatório de Rebelo com o menor número de modificações possíveis.

Com a derrota, ficou nítida a falta de agenda da esquerda, que pouco propôs proativamente, caminhando a reboque da pauta ambiental. Tudo isto em um cenário de crise internacional do capitalismo, isto é, com um prato cheio logo ao lado para que reflexões e críticas mais profundas fossem apresentadas.


Lula e Dilma, Dilma e Lula


Política, em alguns momentos, lembra o futebol. Quem pede recebe, quem se desloca tem preferência. Ou, como também afirmou este grande filósofo da bola chamado Neném Prancha: “O importante é o principal, o resto é secundário”. No momento, Dilma e Lula, para lembrar a frase de Elio Gaspari sobre a importância dos prontuários do Sírio Libanês, são a centralidade da política nacional, para o bem ou para o mal. Com uma oposição fragilizada e incapaz, o PT vai ampliando seu projeto de poder e forjando seus próprios mitos.


Em 2014, se Lula recuperar a saúde – e todos nós desejamos o pronto reestabelecimento do ex-presidente -, o PT terá duas boas opções para permanecer no poder mais quatro anos: o homem que venceu o câncer, depois de vencer a miséria e toda sorte de infortúnios, vindo a se tornar presidente em um período de crescimento da economia nacional; e a mulher que moralizou a política nacional e, se tudo funcionar bem até lá, dirigiu o transatlântico Brasil nos mares turbulentos da crise internacional. São dois mitos fortes, que inclusive podem servir em cenários diversos – um agravamento da crise pede o carisma de Lula; uma situação mais tranquila na economia sustenta a candidatura de Dilma.


Difícil vislumbrar algo com potencial de derrubar o projeto político de poder, ao menos no curto prazo e ressalvada a hipótese de uma hecatombe na economia mundial. Mantidas as atuais condições de temperatura e pressão, o protagonismo da política nacional permanece com Dilma e Lula. No Sírio Libanês, portanto...

POLÍTICA - De Jesse James a Obama.

De Jesse James a Obama, os ideais socialistas influenciaram muito os Estados Unidos

Paulo Solon

O socialismo dos irmãos James e dos Young após a Guerra Civil não ocorreu em vão. Em 1912 os socialistas já eram uma poderosa corrente nos Estados Unidos, tendo como candidato às eleições presidenciais um representante chamado Eugene V. Debs, que tinha um tremendo dom para oratória e também um jeito de ser preso onde quer que ele fosse. Debs carreou centenas de milhares de votos, mas os republicanos tinham um duro oponente no candidato democrata Woodrow Wilson.

Nascido na Virginia, Wilson era um crente fanático em segregação, o que o colocava à direita de muitos republicanos de seu tempo. Wilson era também um firme apoiador dos direitos do Estado. Ele se declarava possuidor de um mandato de Deus no sentido de cumprir grandes tarefas e, certamente, isto foi decisivo para um povo supersticioso, ainda que sua experiência política fosse limitada a servir como presidente da Princeton University e como governador de New Jersey.

Mas espertamente se dizia a favor das reformas socialistas da espécie que Roosevelt havia inaugurado, o que fez com que ele ficasse de fora do quadrado conservador. Wilson era a favor da redução de tarifas, uma atitude populista que agradava a classe trabalhadora. Wilson era pois uma figura complexa. Acabou vencendo a convenção democrata de 1912.

Graças aos socialistas, as eleições de 1912 trouxeram mudanças políticas que permanecem até hoje. Ideias que agora, nas eleições presidenciais de 2012, muitos atribuem como socializantes, se devem a Debs e companhia. Tais ideias poderão ser agora até aprofundadas.

Dos socialistas vieram as demandas para os direitos dos trabalhadores, reformas na saúde e segurança, jornada de oito horas de trabalho, que foi instituída nacionalmente durante a administração Wilson, bem como direito de voto para as mulheres.

Não estou certo se também a aposentadoria para militares, após apenas 8 anos de serviço (active duty), indo ou não à guerra, é dessa época. No Brasil os militares precisam de 30 anos para se aposentarem, e a pensão só passa para a filha mulher. Nos Estados Unidos a pensão militar é vitalícia e passa também para os filhos homens.

A eleição de 1912 foi uma confusa mistura de ideias, mas também um curioso exemplo de como os políticos pulam a cerca para roubar ideias do outro lado. Farão o mesmo em 2012? Aguardemos para ver.
Fonte: Tribuna da Internet

ECONOMIA - Já esqueceram o Tea Party.

Paulo Moreira Leite


Estou impressionado com a força ideológica de Adam Smith, aquele pensador escocês do século XVIII que — resumidamente — explicava o crescimento do capitalismo pela mão invisível do mercado.

Essa longa sobrevivência se explica por sua utilidade política.

A noção de “mão invisível” transforma os desastres econômicos — como aqueles que se vê na Europa e nos EUA de hoje em dia — em catástrofes naturais, contra as quais os homens e os governos pouco podem fazer.

Embora o mercado seja uma parte essencial da vida econômica de nossa época, o mundo se modificou bastante desde que Adam Smith formulou suas hipóteses de trabalho, num tempo em que não havia luz elétrica, nem avião nem linha de montagem.
Não se pode falar em “mão invisível” diante de corporações com poder de controlar a oferta mundial de mercadorias, matérias primas, tecnologia e saber acumulado.

É pura ingenuidade fingir que os juros sobem e descem por vontade propria, sem influência de ações de todo tipo, inclusive dos governos de Estado.

E é falta de conhecimento histórico argumentar que o crescimento econômico não pode ser estimulado por políticas adequadas e que uma depressão não possa ser induzida por programas de austeridade.

A diferença é que a noção de que somos governados por uma “mão invisível” ajuda a diminuir responsabilidades visíveis e escancaradas da economia atual.
Vamos reparar, por exemplo, na situação da economia americana. Ela vinha crescendo 3% em 2010. Entrou uma fase de crescimento moderado, em 2011, que ameaça prolongar-se para 2012 também.
A teoria da “mão invisível” vai encontrar causas no caráter da sociedade americana, nas dificuldades de sua economia, na concorrência externa e assim por diante. O esforço é conformista: dizer que o ambiente de anestesia economica é inevitável.

É certo que a economias desenvolvidas estão condenadas a crescer menos do que os países emergentes. A discussão real é outra, porém.

Os Estados Unidos pagam hoje o preço da ação conservadora do Tea Party, que sufocou o governo de Barack Obama por razões eleitorais — teremos eleiçoes presidenciais em 2012 — e ideológicas. Fanáticos do mercado, consideram que o Estado mínimo retrata o mundo ideal para homens livres e emancipados.
Ironicamente, aquilo que se vê nos EUA, hoje, é a ação visível daqueles que dizem que a economia se move por uma “mão invisível.”

É a política, estúpido!

POLÍTICA - Aécio começa a se articular em SP.

Aécio começa em São Paulo articulação para as eleições de 2014.

Pedro do Coutto

Ao incentivar uma coligação entre o PSDB e o PMDB, em torno da Prefeitura da cidade de São Paulo nas urnas de 2012, o senador Aécio Neves jogou um lance de dados em torno de sua candidatura ao Planalto na sucessão presidencial de 2014. Sem dúvida. Ele inclui em sua estratégia o esforço para derrotar Fernando Haddad, candidato do PT, que constituiria uma etapa para abalar a força da liderança exercida pelo ex-presidente Lula e pela presidente Dilma Roussef. É vital para a oposição. Não só a capital paulista, mas também as prefeituras do Rio e Belo Horizonte.

Em Minas, Aécio testará a força de sua base. No Rio, uma incógnita. O PSDB deve concorrer com o deputado Otávio Leite, mas é quase impossível firmar uma aliança viável. Eduardo Paes, com apoio do governador Sergio Cabral, parte buscando a reeleição, desta vez tendo a seu lado um vice indicado pelo PT, Adilson Pires.

Uma corrente do Partido dos Trabalhadores reagiu contrariamente, pensando certamente que uma vitória de Sergio Cabral dificultará a candidatura Lindberg Farias ao governo estadual daqui a três anos. Porém mesmo que haja uma cisão no PT, esta não poderá fortalecer o PSDB. Assim, em termos de Aécio Neves, qualquer desfecho não o beneficiará. O confronto cinge-se ao PMDB e ao PT.

Para o ex-governador mineiro, inclusive, o crescimento do PT no RJ o atrapalhará até mais, em 2014, do que uma eventual vitória de Paes em 2012. Se o PT embalar no Rio, melhor será para a reeleição de Dilma Roussef. Portanto pior para ele próprio, Aécio, que precisa vencer em Belo Horizonte.

O principal oponente será o candidato do PT, talvez Patrus Ananias, que perdeu em 2010 a prévia partidária quanto a vaga do Senado, para Fernando Pimentel. Nas urnas, venceram Aécio e Itamar Franco. Em São Paulo, Aécio Neves ataca o PT. Em Minas é atacado por ele. Assim, enquanto uma névoa de indefinição envolve Rio e Belo Horizonte, uma onda de afirmação de liderança petista estará em disputa na capital do Estado de São Paulo. Isso porque a repercussão do resultado será enorme.

Afinal de contas, o ministro Fernando Haddad é um candidato imposto à legenda pelo comando de Lula. As prévias partidárias, que ele afastou de cogitação, tendiam para a senadora Marta Suplicy, obrigada pelas circunstâncias a retirar-se da disputa. Mas, de fato, ainda não definitivamente. Ela joga com a hipótese de Haddad não decolar como figura de salvação para o PT e de forte importância para a própria Dilma Roussef quando enfrentar o episódio de sua própria sucessão.

A reportagem de Cátia Seabra e Daniela Lima, Folha de São Paulo de sexta-feira 23, destacou bem a articulação desencadeada pelo senador Aécio Neves. A foto que acompanha o texto é de Lula Marques. Aécio, ao mesmo tempo em que incentiva Gabriel Chalita, deixa uma porta aberta para José Serra, uma vez que a candidatura deste deixará para ele o caminho do PSDB totalmente aberto.

O senador mineiro, neste caso, seria o único nome de que a oposição pode dispor. Para Aécio, o ideal seria uma chapa Serra/Chalita, este vice. Mas esta perspectiva não parece interessar ao deputado mais votado do PMDB paulista. Que teria ele a ganhar conquistando a vice? Nada. Teria acrescentado para José Serra e Aécio, distanciando-se em consequência do governo federal.

Para Chalita, no fundo, só a candidatura a prefeito pode interessar. Aécio, sem dúvida, conta com esta hipótese, porém ainda não pode defendê-la enquanto Serra não se definir concreta e totalmente quanto a vir novamente disputar o posto. Estratégico para outubro de 2014. Uma alvorada política para o futuro próximo. Sob a ótica de análise de hoje. Amanhã pode ser diferente. Este é o risco dos comentários e comentaristas.
Fonte:Tribuna da Internet

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

POLÍTICA - 2011: o ano em que a oposição sumiu.

Balaio do Kotscho.

O principal fato político do ano não foi produzido pelo governo, como costuma ser, mas pela oposição. Foi, na verdade, um não fato: o desaparecimento da oposição partidária (sobrou apenas aquela que se abriga em setores da velha mídia e em alguns blogs).

O PSDB e seus satélites DEM e PPS sumiram da cena política brasileira junto com seus líderes, que não pararam de brigar entre si durante todo o ano, e deixaram o campo livre e tranquilo para a presidente Dilma Rousseff inaugurar o seu governo.

A tal da "Faxina da Espalanda", outro tema de destaque em 2010, que fez Dilma trocar sete ministros em menos de um ano, foi mais um evento de imprensa do que uma iniciativa do novo governo, que ainda não começou para valer, dando apenas continuidade ao que herdou.

O DEM, ou o que sobrou da antiga Arena, que virou PDS, PFL e outros partidos menores, foi engolido pelo PSD, a antiga sigla ressuscitada pelo prefeito paulistano Gilberto Kassab.

Outro fato político de destaque do ano, o neo-PSD já nasceu com mais de 50 deputados e se tornou a terceira maior legenda do país. Com largo espectro ideológico ("não é de direita, nem de centro, nem de esquerda"), já nasceu governista.

Juntos, os três partidos de oposição chegaram ao final do ano com apenas 88 deputados federais (elegeram 109 em 2010), aos quais podemos agregar ainda os três figurantes do nanico PSOL, que também estão fora da monumental base aliada, mas correndo pela esquerda radical.

Levantamento publicado pela "Folha" neste final de semana contabiliza somente 17,5% das cadeiras da Câmara Federal ocupadas por parlamentares oposicionistas _ o menor índice desde a redemocratização do país.

Desta forma, a presidente Dilma Rousseff deitou e rolou no Congresso Nacional, aprovando tudo o que queria, sem maiores sacrifícios, a não ser atender aos apetites dos aliados, que lhe deram bem mais trabalho do que a indigente oposição.

Este cenário projeta um 2012 tranquilo para Dilma na área política, embora sua anunciada reforma ministerial possa deixar aqui e ali alguns descontentes entre os partidos aliados.

Diante desta maioria avassaladora, no entanto, levando ainda em conta os altos índices de aprovação popular da presidente Dilma e uma economia razoavelmente estabilizada, que alternativa restaria aos aliados que se sentirem rejeitos na reforma?

Vão se jogar ao mar para se agarrar às bóias murchas da oposição mambembe? Correrão para os braços de Serra, Aécio, Agripino Maia, Roberto Freire?

Aécio conseguiu derrotar Serra em todas as instâncias partidárias tucanas, mas o ex-governador paulista não quer largar o osso da sucessão presidencial em 2014 e o ex-govenador mineiro ainda não se afirmou como liderança oposicionista de expressão nacional. Os outros dois estão juntando os cacos.

Com Lula momentaneamente fora de combate tratando um câncer na laringe e Fernando Henrique Cardoso dedicando-se mais às suas palestras, já sem esperanças de dar um rumo ao PSDB, Dilma assumiu de vez o protagonismo político. Em outubro, enfrentará sua primeira eleição na cadeira de presidente dando as cartas numa posição bastante confortável, com cacife alto e sem concorrentes à vista para 2014.

Seus principais adversários não conseguem se entender nem para lançar um candidato para a Prefeitura de São Paulo, berço do tucanato, capaz de enfrentar Fernando Haddad, o candidato petista de Lula/Dilma. O PMDB, como de costume, a tudo assiste, calculando onde poderá obter maiores vantagens.

Em 2012, tudo pode mudar, claro, a depender do que vai acontecer com a abalada economia mundial. No final de 2011, porém, a um ano das eleições municipais, é este o quadro, absolutamente favorável ao governo central e seus aliados, e melancólico para a oposição

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

NATAL - A volta de Jesus, 2011 anos depois.

Conforme a ocasião, é melhor a gente passar a palavra para quem entende do assunto.

Neste Natal de 2011, meu presente para os leitores do Balaio é um belo texto sobre "A volta de Jesus" escrito pelo meu velho amigo Frei Betto, escritor e frade dominicano, que transcrevo abaixo:

A VOLTA DE JESUS

Frei Betto

Sem chamar a atenção, Jesus voltou à Terra em dezembro de 2011. Veio na pessoa de um catador de material reciclável, morador de rua. Comia prato feito preparado por vendedores ambulantes ou sobras que, pelas portas do fundo, os restaurantes lhe ofereciam.

Andava sempre com uma pomba pousada no ombro direito. Estranhou o modo como as pessoas bem vestidas o encaravam. Lembrou que, na Palestina do século 1, sua presença suscitava curiosidade em alguns e aversão em outros, como fariseus e saduceus.

Agora predominava a indiferença. Sentia-se, na cidade grande, um Ninguém. Um ser invisível.

Ao revirar latas de lixo à porta de uma faculdade, nenhum estudante ou professor o fitou. “Fosse eu um rato a remexer no lixo, as pessoas demonstrariam asco,” pensou. Agora, nada. Nem o percebiam. Ou consideravam absolutamente normal um homem andrajoso remexer o lixo.

Graças a seu olhar sobrenatural, capaz de apreender alma e mente das pessoas, Jesus sabia que eram, quase todas, cristãs...

Roubaram um carro defronte a faculdade. A vítima, uma estudante cirurgicamente embelezada, apontou-o como suspeito de cúmplice dos ladrões. A polícia, sem pistas dos criminosos, decidiu prendê-lo para aplacar a ira da moça, filha de um empresário.

O delegado inquiriu-o:
— Nome?

— Jesus.

— Jesus de quê?

— Do Pai e do Espírito Santo.

O delegado ditou ao escrivão:

— Jesus da Paz, natural do Espírito Santo.

A polícia conhece a diferença entre bandidos e moradores de rua. Tão logo a moça e seus pais deixaram a delegacia, Jesus foi liberado.

Saiu pela avenida, de olho nas vitrines das lojas. Todas repletas de enfeites de Natal. Tentou avistar um presépio, os reis magos, uma imagem do Menino Jesus... Viu apenas um velho de barba branca, gordo, com a cabeça coberta por um gorro tão vermelho quanto a roupa que vestia. O menino nascido em Belém havia sido substituído por Papai Noel. A festa religiosa cedera lugar ao consumismo compulsivo e à entrega compulsória de presentes.

Impressionou-se com os rápidos flashes coloridos dos televisores expostos nas lojas. A profusão de anúncios. Comentou com o Espírito Santo:

— Houvesse TV naquela época, teriam transmitido o Sermão da Montanha como um discurso subversivo e exibido no Fantástico a multiplicação dos pães. Se eu facilitasse, uma marca qualquer de cerveja iria querer me patrocinar...

Em busca de material reciclável, Jesus se surpreendeu com a quantidade e a variedade de lixo. Quanta coisa ele não conhecia! Como as pessoas consomem supérfluos! Quanta devastação da natureza!

Dormiu num banco de praça. Ao acordar, deu-se conta de que desaparecera seu saco repleto de latinhas e papéis. Possivelmente outro catador o levara. Pobre roubando pobre. Resignado, passou o dia revirando lixo para ganhar uns trocados e poder garantir a janta.

Tarde da noite, viu uma igreja aberta. Decidiu entrar. Os fiéis, ao vê-lo tão maltrapilho, torceram o nariz. Jesus preferiu ficar de pé no fundo do templo. A Missa do Galo se iniciava. Achou o padre com cara triste, como se celebrasse um ritual mecânico. O sermão soou-lhe moralista. Não sentiu que houvesse, ali, a alegria da comemoração do nascimento de Deus feito homem. Os fiéis se mostravam apressados, ansiosos por retornarem às suas casas e se fartarem com a ceia natalina.

Terminada a missa, Jesus perambulou pela cidade. Pelas calçadas, sacos de lixo estufados de embalagens para presentes, caixas de papelão, ossos de frango e peru, cascas de ovos... Observou os moradores de um prédio reunidos no salão do andar térreo. Comiam vorazmente, estouravam garrafas de espumantes, trocavam presentes, abraços e beijos. Nada ali, nenhum símbolo, que lembrasse o significado originário daquela festa.

Passou diante de uma padaria que fechava as portas. O padeiro, ao ver o catador, pediu que esperasse. Retornou lá de dentro com uma sacola de pães, fatias da salame e um refrigerante.

— É pra você comemorar o Natal – disse o homem.

Jesus chegou a uma praça semiescura. Havia ali uma mulher excessivamente maquiada. Buscou um banco e ali se instalou para poder comer. A mulher se aproximou:

— Ei, cara, tem o que aí?

— Pão, salame e refrigerante.

— Não comi nada hoje. E a noite tá fraca. Faz duas horas que estou aqui e nada de freguês. Acho que em noite de Natal os caras ficam com culpa de pegar mulher na rua.

Jesus preparou o sanduíche e estendeu-o à mulher.

— Se não importa de beber no mesmo gargalo...

— Tenho lá nojo de alguma coisa? – murmurou a mulher. ¾ Se tivesse, não estaria rodando a bolsinha na rua.

— Você não tem família?

— Tenho, lá na roça. Larguei aquela miséria pra tentar uma vida melhor aqui na cidade. Como não fui pra escola, o jeito é alugar meu corpo.

— Esta noite de Natal não significa nada pra você?

— Cara, você não imagina o que já chorei hoje lá na pensão. A gente era pobre, mas toda noite de Natal minha mãe matava um frango e, antes de comer, a família rezava um terço e cantava Noite feliz. Aquilo me deixava muito feliz. Não posso relembrar que as lágrimas logo inundam os olhos – disse ela puxando o lenço de dentro da bolsa.

A mulher fez uma pausa para enxugar as lágrimas e indagou:

— Acha que, se Jesus voltasse hoje, esse mundo iria melhorar?

— Não sei... O que você acha?

— Acho que ninguém ia dar importância a ele. Essa gente só quer saber de festa, e não de fé. Mas bem que ele podia voltar. Quem sabe esse mundo arrevesado tomava jeito.

— Eu não gostaria que ele voltasse. Não adiantaria nada. Há dois mil anos ele veio e deixou seus ensinamentos. Uns seguem, outros não. Se o mundo está desse jeito, a ponto de eu ter que catar lixo e você alugar o corpo, a culpa é nossa, que não damos importância ao que ele ensinou. Veja, hoje é noite de Natal. Jesus renasce para quem?

— No meu coração ele renasce todos os dias. Gosto muito de orar, não faço mal a ninguém, ajudo a quem posso. Mas, sabe de uma coisa? Eu gostaria de poder falar com Jesus, assim como nós dois estamos conversando aqui.

— E o que diria a ele?

— Bem, eu perguntaria se ser prostituta é pecado. Já vi um padre dizer que sim, e ouvi outro falar que não. O que você acha?

— Acho que Deus é mais mãe do que pai. E lembro que Jesus disse um dia aos fariseus que as prostitutas iriam entrar no céu primeiro que eles.



Frei Betto é escritor, autor do romance “Um homem chamado Jesus” (Rocco), entre outros livros.

JUSTIÇA -O corporativismo dos magistrados.

Resistência de magistrados causa descrédito da população

Magistrados brasileiros filiados às associações corporativas promovem na sociedade civil um espetáculo deprimente e gerador de descrédito institucional.

Com fundamento em discutível interpretação, os magistrados, pelas associações, entendem ilegítimo e ilegal a atuação, no âmbito correcional e fiscalizatório, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Por meio de surpreendentes liminares, dada a falta de urgência, logrou-se, sempre sob a capa protetória de associações corporativas, uma blindagem nas apurações, sem perceber que, para a população, o que se quer é esconder privilégios e desvios funcionais, alguns deles criminosos.

Afinal, a população ainda escuta ecoar tratar-se o CNJ de um órgão de controle externo das atividades dos magistrados.

Já se constatou que o órgão não é externo, pois são juízes a maior parte dos integrantes do CNJ, incluída a corregedora Eliana Calmon, que é ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e já foi desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia.

Mais ainda, bastou o CNJ começar a apurar e punir magistrados, caso por exemplo do ministro Paulo Medina, ex-presidente da Associação de Magistrados Brasileiros (AMB), para surgir a reação corporativa.

Na hipótese de vingar no Supremo Tribunal Federal (STF) a ação direta de inconstitucionalidade (Adin) serão anulados uma dezena de procedimentos disciplinares que afastaram magistrados, alguns até por venda de sentenças a narcotraficantes.

Não bastasse, a pena máxima para magistrados é a de aposentadoria compulsória, com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço. Pergunta-se: um empregado dispensado por justa causa tem direito a aposentadoria com salários proporcionais até o fim da vida ?

Neste espaço já comentamos as duas liminares concedidas, respectivamente, pelos ministros Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowiski. O STF, neste ano, tirou de pauta de julgamento a Adin proposta pela AMB. O motivo alegado foi a falta de clima dada a reação popular a favor das investigações de juízes pelo CNJ.

Essa decisão foi do plenário do STF, ou seja, de todos os ministros em função jurisdicional. Apesar disso, e sem urgência a justificar, Mello e Lewandowski resolveram deliberar pelos demais e suspenderam as apurações. Em especial no Tribunal de Justiça de São Paulo, onde ainda não se sabe se Lewandowski, autor da liminar, recebeu verbas que lhe eram devidas mas com pagamentos realizados de forma incorreta, privilegiada. Em outras palavras, Lewandowski estava impedido ao conceder a liminar, pois era claro o conflito de interesses. Embora insista em dizer que não, agiu em causa própria.

A sociedade civil, com apoio nos princípios constitucionais da transparência e na isenção dos magistrados como órgãos do Poder Judiciário, apoia as correções e as medidas determinadas pela corregedora Calmon. E as associações de magistrados tentam desacreditá-la perante a opinião pública, o que representa fato lamentável.

Uma guerra de blindagem que espalha inverdades a respeito da corregedora Calmon, que não determinou quebra de sigilos mas, simplesmente, verificações nas folhas de pagamento e conferências em face de informações enviadas pelo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf). O Coaf, frise-se, é órgão de inteligência financeira responsável por detectar, no território nacional, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e movimentações suspeitas de brasileiros e estrangeiros.

Para macular a imagem da corregedora Calmon, a AMB, a Associação de Juízes Federais (Ajufe) e a Associação Nacional de Magistrados Trabalhistas (Anamatra) postularam, junto à Procuradoria-Geral da República (Ministério Público Federal) e ao próprio CNJ, apurações contra Calmon e sobre eventuais condutas arbitrárias a vitimar juízes e servidores da Justiça.

Enquanto isso, e infelizmente, os ministros Cezar Peluso, presidente do STF, e Ricardo Lewandowski lembram que, como ministros do STF, não estão sujeitos a nenhum poder correcional. É que o STF entende estar acima do CNJ e, assim, só sujeito a impeachment: um pedido formulado contra o ministro Gilmar Mendes, com graves acusações de diversos desvios funcionais, foi liminarmente arquivado por José Sarney, presidente do Senado.

Pano Rápido. A quem interessa a blindagem de juízes? E deve ser lembrado que o CNJ nasceu em razão de as corregedorias dos tribunais, estaduais e federais, punirem raramente os seus juízes e jamais sancionarem os seus desembargadores: acordos espúrios eram feitos como, por exemplo, trocar instauração de processo disciplinar por pedido voluntário de aposentadoria.

Para rematar, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado, onde pontificam Renan Calheiros e Romero Jucá, entendeu, diante de emenda constitucional para acabar com polêmicas e estabelecer o poder correcional do CNJ, em adiar a votação, no aguardo de melhor oportunidade. Em síntese, mais uma atuação criticável e logo depois de Peluso e o STF acolherem o pedido de volta de Jader Barbalho ao Senado da República.

Wálter Fanganiello Maierovitch

MÍDIA - Sobre os movimentos óbvios da velha mídia.

Autor:

Luis Nassif

Na terça feira um interlocutor próximo a Lula cantou a próxima jogada.

Durante todo ano, a velha mídia tentou fincar uma cunha no relacionamento dele com Dilma. Não conseguiu. Forçou a barra para tentar apresentar a faxina como uma limpeza dos “ministros de Lula”.

Quando atiraram no Ministro Pimentel, o coro desafinou. Afinal, Pimentel é da cota pessoal de Dilma. Depois, com o alarido em torno do livro “A Privataria Tucana”, só restava à velha mídia voltar ao mote original, e voltar à separação fictícia entre “ministros de Lula” e “ministros de Dilma”.

- Quer apostar como vão aliviar a barra de Pimente?

Na quinta-feira, um editorial de O Globo dando a senha: Pimentel realizou negócios como consultor privado.

PRIVATARIA TUCANA - "Estou de alma lavada".

Na CPI do Banestado,tinha muita "gente boa" envolvida, através do uso das contas CC5, uma das maneiras de "lavar dinheiro".

Me lembro que "Her" Bornhausen, na época presidente do PFL, era um dos principais envolvidos.

Pelo artigo a seguir, pode-se ver que uma das "falácias" do Merval Pereira, na tentativa de proteger o Serra, desqualificando o livro "Pirataria Tucana" e seu autor foi desmontada.


“Estou de alma lavada,” diz Mentor



Paulo Moreira Leite


Em 2005, o deputado José Mentor (PT-SP), era o relator da CPMI do Banestado, usina de investigação, denúncias e luta política interna tão grande que ela se encerrou sem votar seu relatório — um calhamaço de 2 000 páginas — que continha boa parte das revelações divulgadas pelo livro Privataria Tucana, do jornalista Amaury Junior.

Vinte e quatro horas depois que 185 deputados assinaram o pedido de instalação de uma CPI sobre as denuncias do livro, Mentor deu uma entrevista ao blogue.
– O senhor já leu o livro do Amaury Ribeiro?

– Ainda não. Uma assessora comprou e está lendo. Vou fazer isso quando ela terminar. Nós paramos de investigar estes casos em 2005. O Amaury seguiu depois disso. Com certeza avançou bastante.
– Como o senhor acompanhou a coleta das assinaturas para a CPI sobre o livro?

– Estou de alma lavada. No dia em que fiz 60 anos anunciei que iria escrever um livro sobre aquela CPMI e continuo com meu projeto. Fico feliz em ver que parte de nosso trabalho está sendo reconhecido. Conheço boa parte dos documentos e acompanhei a denúncia. Sempre soube que deveria ser apurada.

– Se for mesmo instalada, a nova CPI irá repetir a investigação da CPI do Banestado?

– Não. São objetos diferentes. A CPI do Banestado estava muito dividida. Não havia uma maioria. Ela nasceu da fusão de uma proposta do PT e outra do PSDB, O senador tucano Antero Paes de Barros era o presidente. Eu era o relator. Nós discutíamos o tempo inteiro. O plenário também. Havia muita divergencia.
– Por que?

– No início, que coincidiu com aquele começo difícil do governo Lula, com investimentos contingenciados, sem crescimento, o PSDB achava que iria encontrar fatos para atacar o governo. Havia o interesse político de quebrar a confiança no Lula. Este era o foco real. Quando se viu que essa alternativa não iria levar a muita coisa, pois não aparecia nada, os trabalhos se dispersaram. Aos poucos, se viu que, ao contrário do que se pensava no início, as investigações começavam a mostrar irregularidades que comprometiam o PSDB. Foi ai que o Antero tentou encerrar as investigações de qualquer maneira.

– Como isso aconteceu?

– Nós tinhamos um prazo para trabalhar até 22 de fevereiro de 2005. Isso está escrito num documento oficial do Congresso Nacional. Mas tres meses antes, em dezembro, o Antero proclamou o encerramento da CPMI de forma unilateral e ilegal. Mesmo assim, nós continuamos trabalhando. Fiz viagens pelo Brasil inteiro. Também fui a Madri. A Ideli (Ideli Salvatti, hoje ministra de Relações Institucionais) ajudou muito. Por fim, entreguei meu relatório, no prazo legal. Como a CPI havia sido encerrada, ele não foi votado. Mas está lá, no arquivo do Senado.

– O senhor tomou alguns cuidados no relatório?

– Sim. Documentos que deveriam permanecer em sigilo não foram incluídos. Numa versão inicial, falava-se do laço de parentesco de um empresário com o José Serra. Retirei essa menção do relatório. Essa pessoa não estava sendo investigada porque era parente do Serra, mas porque seu nome apareceu no esquema de lavagem de dinheiro.
– O que estava acontecendo quando a CPI foi encerrada?

– A CPI acabou no momento em que nós iríamos votar um segundo pedido para convocar o Gustavo Franco (presidente do BAnco Central no governo de FHC). O pedido já fora aprovado na única votação feita pelo plenário mas não se marcava data data para o depoimento. Naquele momento, eles quiseram barganhar conosco. Queriam que a gente desistisse de convocar o Gustavo Franco, enquanto eles desistiriam de convocar o Antonio Ciprianni (empresário, dono da Transbrasil, próximo de Roberto Teixeira, advogado e compadre de Lula). Mas nós não queríamos barganhar nada. De nossa parte, eles podiam chamar o Cipriani. Nós queriamos ouvir o Gustavo Franco. Naquele momento, a Justiça uruguaia estava disposta a fornecer dados sobre uma factoring que descontava cheques. Havia possibilidade do próprio Comendador Arcanjo colaborar. Aí eles encerraram.

– O senhor foi acusado de cometer abusos. Por exemplo: de quebrar o sigilo de pessoas sem necessidade. Diziam até que usava informações para fazer chantagem…

– Diziam isso para tentar desmoralizar a CPI e uma parte da mídia comprou essa ideia. Queriam impedir que nosso trabalho fosse levado a serio. A CPI quebrou o sigilo bancário de 2 000 pessoas. Diziam que era demais. Mas fizemos uma reunião secreta na CPI para tratar do assunto. Eu pedi: “me apontem um nome que foi investigado indevidamente.” Ninguém disse nada. Também dei uma coletiva sobre esse assunto. Fiz a mesma pergunta para os jornalistas. Ninguém me apresentou nada. Só posso concluir que quebramos o sigilo de pessoas certas.

– Dizem que houve um acordo para o encerramento da CPI…

– Não houve acordo na Câmara. Isso eu posso garantir.

–Mas houve acordo entre o governo e a oposição?

–Só posso dizer que não houve nada na Câmara. Falo do que sei.

–Uma explicação para o encerramento da CPI é que ela ajudou a esconder descobertas que poderiam comprometer o PT e o governo…

– Pelo amor de Deus! Nem o Antero Paes e Barros afirma isso. Ele chegou a fazer um voto em separado, para substituir meu relatório. Não fala sobre isso.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL AOS AMIGOS COMPANHEIROS DO BLOG.

O Espírito do Natal

Deixa eu ver se o espírito do Natal já está na sua casa......

Não, não quero ver a árvore iluminada na sala,

nem quero saber quanto você

já gastou em presentes.

Quero sim, sentir no ambiente a mensagem viva

do aniversariante desse Dezembro mágico:

toda a família está unida?

O perdão já eliminou aquelas desavenças

que ocorrem no calor das nossas vidas?

Não quero ver a sua despensa cheia,

quero saber se você conseguiu doar

alguma coisa do que lhe sobra,

para quem tem tão pouco, as vezes nada.

Não exiba os presentes que você já comprou,

mesmo com sacrifício,

quero ver ai dentro de você a preocupação

com aqueles que esperam tão pouco,

uma visita, um telefonema, uma carta,

um e-mail...

Quero ver o espírito do Natal entre pais

que descobrem tempo para os filhos,

em amigos que se reencontram

e podem parar para conversar,

no respeito do celular desligado no teatro,

na gentileza de quem oferece o banco para o mais idoso,

na paciência com os doentes,

na mão que apóia o deficiente visual

na travessia das ruas,

no ombro amigo que se oferece

para quem anda meio triste,

perdido.

Quero ver o espírito de Natal invadindo as ruas,

respeitando os animais,

a natureza que implora por cuidados tão simples,

como não jogar o papel no chão, nem o lixo nos rios.

Não quero ver o Natal nas vitrines enfeitadas,

no convite ao consumo,

mas no enfeite que a bondade faz

no rosto das pessoas generosas.

Por fim, mostre-me que o espírito do Natal

entrou definitivamente na sua vida,

através do abraço fraterno, da oração sentida,

do prazer de andar sem drogas e sem bebidas,

do riso franco,

do desejo sincero de ser feliz e de tão feliz,

não resistir ao desejo de fazer outras pessoas,

também felizes.

Deixe o Natal invadir a sua alma,

entre os perfumes da cozinha

que vai se encher de comidas deliciosas,

no cheiro da roupa nova que todos vão exibir,

abrace-se à sua família

e façam alguns minutos de silêncio,

que será como uma oração do coração,

que vai subir aos céus,

e retornar com um presente eterno, duradouro:

o suave perfume de Jesus,

perfume de paz, amor,

harmonia e a eterna esperança de que um dia,

todos os dias serão como os dias de natal.


Feliz Natal para vocês e para os seus!

Carlos Dória

POLÍTICA - Como o Serra (não) enfrenta as pressões.

Autor:

Luis Nassif

Três episódios que ilustram bem a personalidade de José Serra, que me foram passados por um ex-assessor de comunicação que trabalhou muitos anos ligado ao PSDB.

O primeiro, no comício das diretas. Serra foi contra desde o início, alegando que não daria certo. Quando o carro pegou, tentou embarcar de carona. Provocou revolta nos companheiros, a ponto de ter havido briga de braço um militante qualificado do partido.

O segundo episódio foi com Mário Covas. Na prefeitura, Covas sempre atribuía a Serra as notas que saíam contra ele na imprensa e, depois, às notas plantadas durante a Constituinte. Certo dia Covas deu o troco, com uma crítica em on contra Serra, em plena constituinte.

Em vez de responder, Serra foi até a repórter de O Globo e garantiu, em off, que Covas não tinha feito aquela crítica, que fora mal interpretado pelo jornal. A repórter procurou um assessor do partido que foi direto: converse com o Covas novamente. Cova reiterou as críticas, em on. Serra se escondeu.

No governo FHC, uma característica permanente de Serra era desaparecer de cena assim que acontecia qualquer crise. Sumia, simplesmente, não era achado, conta o ex-assessor. Esse comportamento se repetiu em São Paulo, quando governador. Sumiu de cena no episódio das enchentes, no conflito entre PM e Polícia Civil, nos conflitos da USP.

A explicação do ex-assessor vale para os momentos atuais. Sob pressão, Serra entra em parafuso.