segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

POLÍTICA - Imprensa inescrupulosa e canalha.

Do jornalista Mario Marona, no Facebook, a quem certamente doeu escrever como a mim dói ler.
“O Brasil não tem uma imprensa independente.
O Brasil não tem uma imprensa isenta que não seja pobre, alternativa, e feita com o sacrifício pessoal de uns poucos jornalistas que abrem mão do conforto que poderiam dar às suas famílias para suprir a carência de informação confiável na mídia tradicional.
Como fazia a Última Hora, nos anos 50, como fez a “imprensa nanica” durante a ditadura.
Já é assim há muito tempo.
A imprensa brasileira formal é facciosa, venal e criminosa.
Liderou, apoiou ou sustentou politicamente as piores tragédias políticas e econômicas da história contemporânea do Brasil.
Não é apenas porta-voz do atraso, é por si mesma parte e causa do atraso.
A imprensa brasileira levou Vargas ao suicídio.
Destruiu a reputação de JK.
Derrubou Jango.
Propiciou a radicalização do golpe militar com o AI-5.
Permitiu, escondendo e distorcendo fatos, a tortura de milhares de militantes políticos de oposição.
Escondeu os crimes cometidos pela ditadura militar.
Além de omitir ou fraudar informações sobre os crimes da ditadura, ofereceu apoio logístico e veículos para a polícia política.
Fez aprovar uma anistia que perdoou assassinos de presos que estavam sob a custódia do estado.
Impediu as eleições diretas, quando o país já estava pronto para elas.
Promoveu uma eleição indireta de caráter conservador.
Inventou e elegeu Fernando Collor, derrubando-o depois, quando ele já não interessava mais ao poder.
Mentiu e manipulou para enfraquecer politicamente Leonel Brizola e impedi-lo de se eleger presidente da República.
Fraudou a lisura da disputa entre Lula e Collor no segundo turno daquela eleição.
Apoiou todos os planos econômicos liberais que empobreceram a população.
Sabia da compra da emenda da reeleição por Fernando Henrique Cardoso e silenciou.
Reelegeu Fernando Henrique quando o Plano Real já havia cumprido seu papel e o país afundava economicamente.
Criou o medo do agravamento da crise econômica para tentar impedir a eleição de Lula em 2002.
Superdimensionou e deturpou o mensalão, e intimidou o STF para que o PT passasse a ser odiado pela população.
Tentou impedir a reeleição de Lula, apesar de sua enorme popularidade.
Mentiu, criou denúncias falsas e cobriu de maneira facciosa a campanha que elegeu Dilma Rousseff em 2010.
Em 2013, apoiou enquanto julgou necessário os atos de protesto violentos e manipulados pela direita contra um governo democrático.
Cometeu todas as fraudes de informação possíveis e sequer imagináveis para forçar a vitória de Aécio Neves na eleição de 2014.
Liderou com o PSDB e a oposição conservadora a maior sabotagem econômica e política já cometida contra um governo na história, comparável apenas ao que havia feito contra Vargas.
Criou, com o boicote ao governo no Congresso e no mercado, o ambiente propício a queda da popularidade e do apoio a Dilma.
Convocou, apoiou abertamente e amplificou as manifestações de protesto contra o governo em 2015.
Transformou Eduardo Cunha no homem poderoso que acabaria por liderar no Congresso o impeachment da presidenta, escondendo da população a sua verdadeira face corrupta e criminosa, que já conhecia.
Por meio de notícias, colunas e comentários, pressionou o STF a fugir covardemente do papel de garantidor do cumprimento da Constituição, que poderia ter impedido um impeachment sem crime de responsabilidade e por motivos fúteis.
Apoiou abertamente o golpe de estado e está enganando a população sobre os verdadeiros efeitos desastrosos de todas as medidas regressivas que tem coagido o governo ilegítimo a adotar.
Inventou, exaltou e sustentou as arbitrariedades cometidas pela operação Lava a Jato, pelos procuradores de Curitiba e pelo juiz Sérgio Moro.
Dedicou-se com persistência, todos os dias e sem qualquer concessão ao pluralismo de opinião, a atacar a reputação de Lula, destruir sua imagem pública e induzir o Judiciário a condená-lo por crime do qual não existem provas.
Neste momento, defende a confirmação da condenação de Lula e pressiona o TRF a sujeitar-se aos seus interesses.
Trata como verdade inquestionável qualquer notícia negativa para Lula e esconde de seus leitores, ouvintes e telespectadores informações que possam ser favoráveis ao ex-presidente em sua luta legítima por absolvição.
Prepara-se, em desesperada busca por um candidato, para interferir e vencer a eleição deste ano.
É a maior produtora e reprodutora de notícias mentirosas ou parciais que causem danos à imagem de governos progressistas do Brasil e de qualquer país.
Inspirou, pelo exemplo de seu vocabulário crescentemente grosseiro contra adversários, a linguagem de esgoto que se tornou corriqueira nas redes sociais.
Vale-se da ignorância, da truculência, do preconceito e de impunidade das redes sociais para dar credibilidade às suas próprias mentiras.
Enquanto o Brasil não tiver uma imprensa independente e isenta, que sirva de alternativa e contraponto, será governado por uma imprensa inescrupulosa e canalha.”

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: A verdadeira história do triplex do Guarujá

Altamiro Borges: No caso de Lula, a injustiça é flagrante

Altamiro Borges: No caso de Lula, a injustiça é flagrante: Por Guilherme Boulos, na revista CartaCapital : Na quarta-feira 24, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região julgará o recurso apresent...

Altamiro Borges: "Coxinhas" se consagram no Carnaval

Altamiro Borges: "Coxinhas" se consagram no Carnaval: Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo : Eles deram os primeiros espasmos em 2014, quando mandaram Dilma tomar no c… n...

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Para sua reflexão: (II).

Operei um câncer em 2010. Sei que já estou no 

lucro e bem 

vivo até hoje.


Às vezes, pessoas que não me encontram há

 muito 

tempo, perguntam se estou bem. Aí me toco, e 

vejo que estão se referindo ao meu câncer, que às 

vezes até esqueço que tenho.

Percebo o medo que as pessoas têm de até 

mencionar o nome dessa doença.

Sempre digo que estou bem e estou mesmo.

 Devo a isso, primeiro, não ficar pensando

na doença e, segundo, o fato de ser espírita e 

budista, o que me leva a aceitar, sem revolta, esse

desafio em minha vida. Tinha que passar por isso.

Lendo a carta a seguir, vejo que sigo muito das 

constatações apresentadas pela jovem que passou

para

o outro plano com apenas 27 anos. Isto me ajudou 

e tem me ajudado muito a conviver com a doença.

Pelas estatísticas médicas, superar os primeiros 

cinco anos já foi uma vitória, mas ainda tenho 

mais

três anos para vencer, quando completarei dez 

anos de vitória sobre o câncer e 80 anos de vida. 

Olhando para trás, me surpreendo que já se 

passaram quase sete anos da minha operação.

Passando esse período, é maior a possibilidade de 

morrer de morte morrida e não do câncer.

Se olharmos em volta e não só para o nosso 

próprio umbigo, vamos perceber que muita gente 

vive situações pior que a nossa, aceitando sua 

situação com coragem e esperança, que para nós 

parece impossível. 

Espero que esta postagem ajude muitas pessoas a 

refletirem sobre a maneira como encaram a vida e 

como podem fazer para melhorar sua visão de 

mundo.

Vamos a bela carta:





Holly Butcher - foto: Divulgação/Facebook
Holly Butcher

Você já pensou qual legado irá deixar para as pessoas nessa vida? Todos nós temos objetivos e metas, que no futuro não serviram apenas para nossas conquistas, mas também como uma herança para o mundo. Durante sua luta contra o câncer, a australiana Holly Butcher, 27 anos, escreveu uma carta de adeus que, também, serve como verdadeira uma lição de vida.
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)
Na quinta-feira (4), os familiares anunciaram através de um post no Facebook o falecimento da jovem australiana. Na mesma postagem, eles também publicaram a carta deixada por ela com os seus conselhos de vida.
No início da carta, Holly começa falando um pouco sobre o processo de aceitação da morte:"É uma coisa estranha perceber e aceitar a sua morte aos 26 anos de idade. Isso é apenas algumas dessas coisas que você ignora. Os dias vão passando e você apenas espera que eles continuem vindo. Até que o inesperado aconteça. Eu sempre me imaginei envelhecendo e ficando com rugas ? muito provavelmente causadas por minha linda família (cheia de crianças). Eu planejava construir isso com o amor da minha vida".
"Esta é uma coisa da vida; é frágil, preciosa e imprevisível. E cada dia é um presente, não um direito dado. Eu tenho 27 anos agora. Não quero ir. Eu amo a minha vida. Estou feliz.. Devo isso aos meus entes queridos. Mas o controle está fora das minhas mãos", revelou.
Em seguida, a australiana decidiu dar alguns conselhos. "Só quero que as pessoas parem de se preocupar tanto com as coisas pequenas e as tensões insignificantes na vida e tentem lembrar-se que todos nós temos o mesmo destino depois disso tudo. Então, faça o que puder para que seu tempo seja incrível, sem besteiras. Nesses momentos que você estiver lamentando por coisas ridículas, apenas pense que alguém está realmente enfrentando um problema. Seja grato pelo seu pequeno problema. Não faz mal reconhecer que algo é irritante, mas tente não continuar a carregar isso e afetar negativamente o dia de outras pessoas", comentou.
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)
Além disso, Holly aconselhou as pessoas a olharem para os pequenos detalhes do dia a dia: "Veja como o céu é azul e como as árvores são verdes; é tão lindo. Pense como você é sortudo por poder fazer isso: respirar. É tudo tão insignificante quando se olha para a vida como um todo. Estou vendo meu corpo desaparecendo diante dos meus olhos e não há nada que eu possa fazer. E tudo o que desejo agora é que eu pudesse ter mais um aniversário ou natal com a minha família, ou apenas mais um dia com o meu parceiro e o meu cão".
Outra questão levantada por Holly foi sobre solidariedade e desapego com os bens materiais. "Dê, dê, dê. É verdade que você ganha mais felicidade fazendo coisas para outros do que para si mesmo. Gostaria de ter feito mais isso. Compre algo para seu amigo em vez de outro vestido. Leve-os para uma refeição, ou melhor ainda, prepara-lhes uma refeição. Dê para eles uma planta, uma massagem ou uma vela e diga quanto os ama. Use seu dinheiro em experiências. Ou ao menos não perca experiências porque gastou todo o dinheiro com coisas materiais", afirmou.
Holly terminou a carta aconselhando as pessoas a realizarem boas ações. "Comece doando sangue. Doações de sangue (mais bolsas que eu poderia contar) me ajudaram a me manter viva por mais um ano. Um ano que eu serei eternamente grata, que eu passei aqui na terra com minha família, amigos e cachorro. Um ano em que eu tive alguns dos melhores momentos da minha vida", completou.

Altamiro Borges: Banco Mundial a serviço da especulação

Altamiro Borges: Banco Mundial a serviço da especulação: Editorial do site Vermelho : A quem serve o Banco Mundial? A força desta pergunta, que não é nova, cresceu desde a divulgação da entrevista...

POLÍTICA - Viva o Tio Rei!



Em sua coluna publicada hoje na Folha, Reinaldo Azevedo diz que a direita “xucra” está perdida, e tanto a direita quanto a esquerda estão com medo. A direita, pela força de Lula. A esquerda, pela possibilidade de ele ser condenado e ficar fora da disputa. Reinaldo acredita que, mantida a normalidade democrática, Lula se elege. Seguem os últimos parágrafos do artigo:
“E que se note: se a sentença de Moro for confirmada pelo TRF-4, o tribunal estará dizendo que Lula é o dono não declarado do tal tríplex de Guarujá, fruto de propina, mas, segundo o juiz, não oriunda da Petrobras, embora seja isso a constar da denúncia. Ocorre que a Justiça do Distrito Federal penhorou o imóvel como um bem da OAS. Vale dizer: um mesmo sistema judicial reconhece que o apartamento é e não é de Lula. Hospício ou circo?
Para encerrar: como a capacidade dos ditos “conservadores” nativos de fazer e dizer besteira não reconhece limites, eles são os primeiros a declarar a “falência” do nosso sistema político, com o que concordam, é claro!, Janio de Freitas (neste espaço), Roberto Barroso (o mais esquerdista dos ministros do Supremo) e, ora vejam!, o próprio Lula. Mais uma vez, as agendas da direita e da esquerda se unem contra o Estado de Direito. E que resposta dar nesse caso? Ora, o chefão petista já começou a falar em uma nova Constituinte.
No fundo do poço, pois, o alçapão.
Lula não foi… “preso amanhã”. Deixado por conta do eleitor, seria eleitoamanhã. A direita xucra está de parabéns. Que obra!”

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

POLÍTICA - Carta de um esquerdista ao seu pai.

Do BLOG 247

Reluto em escrever. Penso um, duas, várias vezes. Isso porque meu maior desejo hoje era poder sentar com você e poder conversar. Sim, conversar ao invés de escrever. Ouvir e ser ouvido. Mas sei que é impossível. Seu ódio te torna irracional; te cega. E infelizmente, te transforma em uma figura que não reconheço.
Só queria entender de onde vem tanta raiva. Justo de você, meu exemplo desde criança. Aquele que sempre me dizia para ter a consciência tranquila, fazer as coisas certas, lutar pela justiça e ajudar ao próximo. E de repente, é como se tudo isso desmoronasse.
Como eu queria poder sentar contigo e conversar...
Mas ao invés disso, me atacou. Com mensagens e emails, tentou me desestabilizar e me ofender pelo que pensava e escrevia. Não foi fácil ignorar. Confesso que chorei muito no início, mas depois preferi culpar a irracionalidade ao invés de seu coração. Sei que quando o assunto é Lula, você se transforma. Mas você não é isso.
Só queria entender o que Lula lhe fez.
Como pode ter tamanho rancor de uma pessoa? E não adianta falar aqueles jargões batidos e mentirosos de que “Lula quebrou o Brasil...Lula roubou....Lula isso, Lula aquilo”. Isso já foi desmentido e provado. Não cola mais. Não é esse o motivo. Até porque se fosse isso, jamais poderia ser cúmplice do PSDB e seus corruptos, não é mesmo?
Lula foi e é um estadista. Tem o respeito, admiração e reconhecimento mundial por todos os benefícios que fez e trouxe para o Brasil. Como ele, éramos a 6ª maior economia do mundo. Com ele, saímos do mapa da pobreza, demos dignidade para as pessoas. Não era isso que sempre me mostrava, pai, quando me ensinava a dar roupa e comida para as pessoas que em nossa casa tocava a campainha? Ajudar os mais necessitados?
Graças aos programas sociais de seu governo, pudemos dar condições melhores para as pessoas menos favorecidas pelo sistema capitalista. Lembra como era difícil fazer as compras do mês? E trocar de carro ou viajar de avião? Inimaginável para nossa família nos tempos sombrios da política entreguista/neoliberal do PSDB!
Pai, nunca fomos classe alta. Sempre classe média...muitas vezes baixa. Sabe melhor que eu o quanto suou para nos oferecer o melhor que estava ao alcance. Não entendo de onde vem essa ira toda.
Será que é justa essa sua braveza? Lula não foi perfeito, mas quem o é? Há muita coisa por ser feita, o que inclui uma das mais sérias: democratizar a mídia, para evitar a deturpação da imagem daqueles que vão contra os interesses do capital. Só assim é que as pessoas passarão a ter acesso a informação de qualidade, sem a manipulação tendenciosa.
Veja, por exemplo, o caso recente do golpe – travestido de impeachment – que deram na presidenta Dilma. Viram o que te venderam, assim como para tantos outros que acreditaram nessa falácia?
Lembra-se que alertamos o que estava por trás disso? A política neoliberal do PSDB?
Lembra também de que eles diziam que “basta tirar a Dilma que a coisa melhora”? Seja sincero: melhorou? Gasolina e gás de cozinha constantemente reajustados com a nova política econômica do Henrique Meireles, preços subindo (apesar da propaganda da mídia – golpista, lembre-se disso! – dizendo que não temos inflação!).
E o que dizer do reajuste do salário mínimo, com reajuste inferior à inflação? Sim, sua aposentadoria foi afetada e perdeu poder de compra.
E a tal corrupção? Acabou? Muito pelo contrário, não é mesmo? Enquanto Dilma dava carta branca para investigar e punir os corruptos, o golpe foi dado para barrar as investigações – ou, como sabemos para “estancar a sangria” – contra os verdadeiros bandidos!
Para mim e seus netos, outro legado do “impeachment” foi a reforma trabalhista, que visou agradar apenas o empresariado, escravizando e precarizando ainda mais o trabalho e o trabalhador. E mais coisa vem por aí, com a reforma da Previdência. Triste, né?
Estava escancarado o objeto do golpe, pena que nem todos quiseram enxergar e, cegados pelo ódio, preferiram nos hostilizar. Os tais movimento apartidários, como o “Vem Pra Rua”, apoiado pelo homem mais rico do Brasil, Jorge Paulo Lemann, e o MBL, financiado externamente por dinheiro de petrolíferas ianques tinham o objetivo claro de derrubar a presidenta que impedia o atendimento dos interesses dos Estados Unidos e do empresariado. Ou tirava-se ela, ou os empresários e empresas privadas não teriam chance alguma.
E assim fizeram, enganando parte da população, política e geopoliticamente analfabeta. Por isso que digo: a ignorância política é um dos problemas mais sérios em nossa população!
Não irei julgá-lo se prefere defender políticos e partidos de direita – mesmo não concordando – que pensam apenas na elite. A mesma elite que nos deixava – e deixa – de escanteio; a mesma elite que sonegava impostos, ria de nossa cara e se orgulhava de seus whiskies, viagens e pescarias com amigos “classe alta”. Só sei que não posso concordar em seguir o mesmo caminho.
Saiba que minha decisão em assumir “ser esquerda” não foi uma mera revolta. Li, ouvi, estudei e vi muita coisa até chegar aqui – e não foi através do “Estadão”, “Veja” e cia. Não posso compactuar com injustiças sociais, econômicas e ambientais. Ser “esquerda”, querido pai, vai muito além de partido A ou B, de político X ou Y.
Sou esquerdista porque luto pela igualdade de oportunidade para todos. Porque luto pelo ambiente e contra as grandes corporações que degradam nosso planeta – lembra-se de nossas conversas sobre poluição, agrotóxicos? Sou esquerdista porque quero um país mais justo em suas políticas econômicas, que olhe para as classes menos favorecidas. Por isso milito e apoio a agricultura familiar, o MST, MTST e tantos outros grupos sociais. A sustentabilidade, alicerçada em seus três pilares – ambiental, social e econômico – só é possível através de atitudes coerentes!
Mais do que uma questão partidária, sempre disse – ou tentei – que havia mais coisa por trás. Basta olharmos e vermos a ascensão do BRICS e do Pré-Sal, o que alarmou demais os interesses dos Estados Unidos e FMI. Sim, esse país terrorista sempre influencia nas políticas dos países (Síria, Afeganistão, Iraque, Cuba, Chile, Argentina...são alguns dos exemplos que poderíamos conversar). Ah! Eu não era nascido, mas você deve se lembrar da “Operação Brother Sam” elaborada durante a Ditadura Militar, certo?
É pai, nosso país estava indo para o caminho certo. Com todo suporte de nossa economia pré-golpe, suportamos bem a recessão que afetou o mundo todo a partir de 2008. Éramos um país hegemônico, com reservas a causar inveja. Mas hoje, pós-golpe, estamos na lama e governado pelos verdadeiros corruptos como bem definiu a revista alemã “Der Spiegel”. Nossa soberania está seriamente ameaçada.
Por isso mesmo que o legado que Lula construiu para todos nós, e que aos poucos está sendo dizimado pelo (des)governo do PMDB/PSDB sob uma letargia/hipnose do povo, é digno de defesa. Lula pode ter todos seus defeitos sim, mas suas conquistas para nosso país são incontestes. Devemos muito a ele sim! Lembra da Farmácia Popular que tanto nos ajudou e agora está extinta? E quantos puderam estudar e conseguir diplomas?
Além disso, como parte final deste golpe/impeachment, é claro o julgamento político que o tal juiz (sic) Sérgio Moro está fazendo. Felizmente, a máscara deste sujeito está caindo e o mundo está de olho no que está fazendo com nossa pátria. Veja bem: não somos contra as investigações, muito menos com as punições contra os corruptos. No entanto, exigimos que seja aplicada a verdadeira e única lei, com respeito aos processos e as provas. E, mais do que isso, que deixem as empresas – uma vez que são vários os empregados destas – funcionando.
Mas não é isso que vemos. A parcialidade e a releitura abusiva de leis, sem provas, está ameaçando seriamente a segurança jurídica de cada cidadão. Sem falar que as atitudes da tal “Lava Jato” (cujo nome mais adequado seria “Farsa Jato”) estão quebrando a indústria nacional em subserviência os interesses, principalmente, dos Estados Unidos (lembremos do Programa Nuclear e, como sempre, da Petrobrás).
O que estão fazendo com Lula, é a mais absurda perseguição política! Sem falar que abre um precedente jurídico extremamente perigoso para qualquer cidadão! Já pensou se alguém resolve te culpar de um crime que não cometeu, e o juiz aceita o pedido baseado apenas em delações forjadas?
Enquanto isso, os verdadeiros corruptos – com provas e mais provas! – seguem intocáveis, sob a proteção de togas parciais, provando que não há comprometimento imparcial dessa Justiça.
Enfim, era sobre essas coisas que queria conversar com você. Queria ouvi-lo também.
Talvez se entendesse que Lula representa muito mais do que aqueles memes e o que lê nos jornalões tradicionais; entenderia o real motivo de não apenas eu, mero mortal, apoiar e defender Lula, mas Chico Buarque, Oliver Stone, Bono Vox, Costa-Gravas, Mario Prata, Wagner Moura, Marilena Chauí, Beth Carvalho, Emir Sadder, Pepe Mujica, Cristina Kirchner, José Trajano, Noam Chomsky, Ana Cañas e tantos outros.
Afinal, o que está em jogo não é o Lula, o PT ou qualquer outra escolha. O que está em jogo é a soberania de nosso país. O mesmo país que outros te enganaram dizendo defender “de verde e amarelo”.
Um grande e carinhoso beijo do filho que te ama muito!
(Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com pessoas ou situações da vida real terá sido mera coincidência...ou não!)

POLÍTICA - Os furos da sentença do Dr. Moro.


Os furos da sentença do Dr. Moro.

A reportagem de Mário Cesar Carvalho, na Folha, lista contradições da sentença contra Lula que será analisada (embora com um número impreciso de pré-julgamentos, para os quais a decisão já tinha sido tomada antes de sequer lida).
Lista algumas, apenas, porque haveria dúzias a reunir e, a rigor, bastaria quase que uma delas fosse reconhecida para desabar todo o castelo de cartas que foi montado.
A começar pela irrespondível colisão entre o fato de que o ex-presidente foi acusado de receber um apartamento como paga por contratos superfaturados da OAS com a Petrobras e o próprio Sérgio Moro reconhece que “jamais afirmou, na sentença ou em lugar algum, que os valores obtidos pela construtora OAS nos contratos com a Petrobras foram utilizados para pagamento de vantagem indevida para o ex-presidente”.
Portanto, a acusação é inepta e a jurisdição de Moro sobre o caso não existe. Mesmo que houvesse o apartamento prometido, não seria Curitiba o foro para julgar o fato, mas São Paulo, onde o processo se iniciou e foi “fatiado” para mandar o ex-presidente ao açougueiro de Curitiba. Tanto que o “resto” ficou lá e terminou com a absolvição dos acusados.
Ou seja, nem mesmo ao mérito da acusação – se Lula recebeu ou combinou receber o apartamento – deveria ter sido julgado por lá, mas devolvido para distribuição em outra vara criminal.
Como parece pacífico – embora Moro diz que nem vem ao caso – que Lula jamais foi possuidor (nem como proprietário, nem como usuário) do “triplex”, restaria como ato de corrupção ter “solicitado” ou “aceito a promessa” de recebê-lo.
Em nenhuma das milhares de páginas do processo há menção de que Lula o tenha solicitado. E menos ainda que “tenha aceito” a promessa. Aliás, o próprio delator diz que jamais conversaram sobre a diferença entre o valor das cotas que D. Marisa possuíra no condomínio e o do tal apartamento.
Falta, ainda, o “ato de ofício” praticado ou permitido por Lula, que não tem prova alguma exceto o capenga “domínio do fato” da indicação – nem a nomeação, que é feita pelo Conselho de Administração – de diretores da Petrobras, o que seria indispensável, nas palavras do insuspeito Celso de Mello, antipetista até a medula:
[…]o ato de ofício constitui requisito indispensável à plena configuração típica do crime de corrupção passiva, tal como vem este delito definido no art. 317, caput, do Código Penal. A essencialidade do ato de ofício torna-o elemento imprescindível ao exame da subsunção de determinado comportamento ao preceito de incriminação constante da norma penal referida.
Há toneladas de imperfeições na sentença de Moro, a tal “irretocável” na definição do presidente do Tribunal que irá julga-lo, inclusive contradições cronológicas insanáveis, como aquela que se apontou aqui , na qual a “delação interessada” de Léo Pinheiro cria uma suposta ordem de Lula para “destruir” provas de “encontros de contas” em “abril ou maio de 2014” que é também aceita pacificamente por Moro em outros pontos da sentença, como no que diz que “o preço do imóvel e os custos das reformas seriam abatidos da conta corrente geral da propina, o que teria ocorrido, segundo José Adelmário Pinheiro Filho, em reuniões havidas em 09 e 22 de junho de 2014″(parágrafo 877 da sentença).
A crítica à sentença, portanto, está longe de ser apenas política. É, ao contrário, à inspiração e “convicção” políticas terem sido colocadas sempre acima das provas , torcendo-as até que “concordassem” com o objetivo de condenar Lula.

Guerra na Síria - Documentário Operação Mayadin +18

Elis Regina ao vivo no México - Conversando no bar

POLÍTICA - Artigo do Jânio de Freitas.


Mais de meio século de jornalismo, janela de quem já viu crises de todo tipo, deveriam fazer com que os alertas de Janio de Freitas fossem ouvidos com atenção e preocupação por pessoas ponderadas. Mas, infelizmente, a imprensa brasileira deixou de ser lugar de ponderados e passou a viver um clima de Coliseu, de polegares erguidos ou abaixados, tradição que veio das arenas romanas até seu sucedâneo cibernético, o Facebook.

Alicerces institucionais
degeneraram até nenhum mais funcionar

Janio de Freitas, na Folha
O grau de tensão e incerteza em que estão, à direita e à esquerda, os politicamente menos alienados dá ao chamado julgamento de Lula a sua verdadeira face: o ato judicial é só um trecho da superfície de um fluxo profundo, no qual se deslocam as bases da ideia que o país fazia de si mesmo. Nos últimos três anos, os alicerces institucionais criados na Constituinte de 1988, para garantir o futuro sempre desejado, degeneraram até à situação em que nenhum mais funciona como prescrito.
O Brasil se reconhece como um país corrupto, dotado de um sistema político apodrecido; injusto e perigoso. É assim o Brasil das conversas que se reproduzem a todo tempo, em todos os lugares.
Este país que decai de onde nunca esteve, mas imaginava estar, se vê jogado com brutalidade em um turbilhão veloz de fatos sucessivos, sem controle e sem sequer presumir aonde podem levar. Executivo, Legislativo e Judiciário não se entendem nem o mínimo exigido pelas urgências. O primeiro, por imoralidade; o segundo, por ignorância e indecência; o terceiro, por fastio de presunção projetada, de cima para baixo.
A consciência, por incompleta e adulterada que seja, está nos inundados de incerteza inquietante. São os que sabem que o julgamento, em si, representa pouco. O seu âmago não é judicial. É político. O que dele resultará não será um novo passo no direito, mas, por certo, andamentos com influência direta no processo político e institucional. O que, por sua vez, vai desaguar no fluxo das conturbações modificadoras. Se para detê-lo, desviá-lo ou acelerá-lo, é a incerteza que continua.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Attaque d'Hmeimim : V. Poutine blanchit la Turquie de tout soupçon

Deputado tucano envolvido com "Máfia da Merenda" protestou contra Dilma;...

Defesa de Lula rebate O Globo e espera julgamento justo do TRF4 - Portal Vermelho

Defesa de Lula rebate O Globo e espera julgamento justo do TRF4 - Portal Vermelho: O Globo dá  seu veredito e monta uma sessão de julgamento fazendo denúncias e tecendo críticas a defesa do ex-presidente Lula na análise do caso Triplex com uma série de afirmações 'inverídicas' em editorial nesta terça-feira(16). Segundo o advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Martins Zanin, 'claramente tentando mascarar a fragilidade jurídica daquela sentença do Triplex que será analisada no próximo dia 24, disse em vídeo divulgado nesta manhã.

Temer é chamado de ladrão e traidor da pátria em Tv estrangeira

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

ZÉ DIRCEU DENUNCIA A PICARETAGEM DAS AGÊNCIAS DE RISCO.

PETROBRAS - Mais um crime de lesa-pátria.


Crime de lesa-pátria: Petrobras fica com 10% no pré-sal!

"Aliança estratégica" é receptação dolosa.ompartilhar
LesaPatria.jpg
O amigo navegante conhece a tese do professor Gilberto Bercovici: não passa de receptação dolosa o que o Pedro Malan Parente tem feito na Petrobrax.
E, segundo Bercovici, vai ser tudo reestatizado.
Quando a canoa virar e o Parente entrar na primeira fila do paredón do C Af.
Malan Parente acaba de fazer o jogo dos abutres da Bolsa de Nova York.
Nessa segunda-feira, 15/I, ele, súcubo, faz com a francesa Total uma "aliança estratégica" - como a já concluída, segundo colonista da Globo Overseas, da Embraer com a Boeing.
Parente consegue se contentar com 10% de um campo do pré-sal!

Petrobras e Total concluem a cessão de direitos das concessões de Lapa e Iara, como parte de sua Aliança Estratégica


Petrobras e Total informam que finalizaram um marco importante na realização de sua Aliança Estratégica, anunciada em 01/03/2017, com a conclusão das seguintes transações:

- Cessão de direitos de 35% da Petrobras para a Total, assim como a operação, do campo de Lapa no bloco BM-S-9A, no pré-sal da Bacia de Santos. A nova composição do consórcio passa a ser: Total como operadora (35%), Shell (30%), Repsol-Sinopec (25%) e Petrobras (10%). O campo de Lapa iniciou produção em dezembro de 2016, por meio do FPSO Cidade de Caraguatatuba, com capacidade de 100 mil barris por dia.

- Cessão de direitos de 22,5% da Petrobras para a Total da área de Iara, que contém os campos de Sururu, Berbigão e Oeste de Atapu, no bloco BM-S-11A, no pré-sal da Bacia de Santos. A nova composição do consórcio passa a ser: Petrobras como operadora (42,5%), Shell (25%), Total (22,5%) e Petrogal (10%). A produção em Iara está prevista para iniciar em 2018 nos campos de Berbigão-Sururu, por meio do FPSO P-68, com capacidade de 150 mil barris por dia, seguido de um segundo FPSO, em 2019, no campo de Atapu. (...)